Não há tempo para esperar: protegendo o futuro de infecções resistentes a medicamentos

As Nações Unidas, agências internacionais e especialistas lançaram um relatório pioneiro em abril de 2019 exigindo ações imediatas, coordenadas e ambiciosas para prevenir uma possível crise desastrosa de infecções resistentes a medicamentos.

Segundo o Grupo das Nações Unidas para Coordenação Interagencial sobre Resistência Antimicrobiana, responsável pelo documento apresentado ao secretário-geral das Nações Unidas, se nenhuma ação for tomada, doenças resistentes a medicamentos podem causar 10 milhões de mortes todos os anos até 2050 e gerar danos à economia tão catastróficos quanto a crise financeira global de 2008-2009. Até 2030, a resistência antimicrobiana pode levar até 24 milhões de pessoas à extrema pobreza.

O relatório está disponível em inglês, francês, espanhol, com resumo executivo disponível em português, inglês, francês, espanhol, russo, mandarim e árabe. Acesse clicando aqui.

 


Direitos Humanos, Cidadania e Tuberculose na perspectiva da legislação brasileira

A publicação “Direitos Humanos, Cidadania e Tuberculose na perspectiva da legislação brasileira”, feito em parceria com a OPAS/OMS, pretende contribuir para o exercício da cidadania ativa das pessoas afetadas pela ‪#‎tuberculose‬ no País, fortalecendo as ações de controle da tuberculose ao oferecer indicações sobre o marco regulatório que se correlaciona com os princípios de direitos humanos, com ênfase na legislação nacional, em especial aquelas questões que incidem diretamente na promoção, proteção e assistência à saúde das pessoas com tuberculose, demonstrando o quanto a sociedade brasileira precisa avançar para garantir a todos os cidadãos o direito a uma vida digna, como preceitua a texto constitucional. 2015. Acesse em http://goo.gl/Kvl99V

 


 

Da coerção à coesão: Tratamento da dependência de drogas por meio de cuidados em saúde e não da punição

Documento para discussão com base em uma oficina técnica. UNODC, Viena, 28-30 de outubro de 2009.

 


 

Experiências em educação preventiva ao uso de drogas: experiências do Brasil

Publicação mostra algumas experiências brasileiras bem-sucedidas em ações de educação preventiva ao uso de drogas, de forma a servirem de exemplo aos esforços para buscar soluções conjuntas e alternativas inovadoras, abrangentes e integrais. UNESCO, 2014.

Livro: Educação Baseada na Comunidade para as Profissões da Saúde: Aprendendo com a Experiência Brasileira

A Educação Baseada na Comunidade (EBC) para as profissões da saúde é uma demanda global, e o Brasil vem mostrando-se sensível, pioneiro e inovador nas ações de aproximação entre a Universidade e o Sistema de Saúde, para além do cenário hospitalar. O livro Educação Baseada na Comunidade para as Profissões da Saúde: Aprendendo com a Experiência Brasileira interessa a docentes, profissionais e gestores do Sistema Único de Saúde (SUS), além dos representantes de Conselhos Locais e Municipais de Saúde, dada a importância e envolvimento de cada um destes grupos nas discussões e pactuações sobre as atividades de EBC.

A Organização Pan-Americana de Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil, reconhecendo a importância da experiência brasileira em centrar os contextos formativos no cerne dos serviços de saúde das comunidades, traduziu o livro para o inglês e espanhol. Para ler na íntegra e acessar as publicações, acesse: http://goo.gl/ubmjFi

 


 

Guia “Promovendo a defesa da Segurança Viária e das Vítimas de Lesões Causadas pelo Trânsito: Um guia para organizações não governamentais”

Preocupadas com este grave problema, sobretudo nos países em desenvolvimento, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Aliança Global de Organizações Não Governamentais para a Segurança no Trânsito elaboraram um guia para organizações não governamentais (ONGs) com a finalidade de ajudar as organizações em seus esforços para que o trânsito no mundo seja mais seguro. O guia, lançado em 2013, está disponível em português, em http://bit.ly/1EFJVl9