Distrito Federal lança publicação sobre práticas sustentáveis nas escolas

Elaborada com apoio de projeto da UNESCO, a publicação apresenta práticas ambientalmente responsáveis para as instituições e professores, além de métodos para a sua aplicação no ensino.

A proposta do material é estabelecer, a partir de um diagnóstico do desempenho do colégio, metas sobre redução de gastos com água e energia, entre outros temas. Esses objetivos deverão ser cumpridos com a participação da escola, do aluno e da comunidade local.

Publicação de organismos do Distrito Federal aborda métodos de ensino de práticas sustentáveis. Imagem: ADASA/SEEDF

Publicação de organismos do Distrito Federal aborda métodos de ensino de práticas sustentáveis. Imagem: ADASA/SEEDF

No Distrito Federal, a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico (ADASA) e a Secretaria de Estado de Educação lançaram em dezembro último um livro sobre como promover a sustentabilidade nas escolas. Elaborada com apoio de projeto da UNESCO, a publicação apresenta práticas ambientalmente responsáveis para as instituições e professores, além de métodos para a sua aplicação no ensino.

A proposta do material é estabelecer, a partir de um diagnóstico do desempenho ambiental do colégio, metas sobre redução de gastos com água e energia, entre outros temas. Esses objetivos deverão ser cumpridos com a participação da escola, do aluno e da comunidade local. A ideia é ir além da intervenção física na unidade de ensino, com a inclusão de métodos de aprendizagem e pesquisa, recursos pedagógicos, sugestões de oficinas, além de outras ações.

A publicação Trilhas e Caminhos para a Sustentabilidade Ambiental nas Escolas do Distrito Federal foi produzida no âmbito de um projeto de cooperação técnica entre a ADASA e a UNESCO no Brasil, que promoveu estudos e atividades formativas sobre o tema “Escola Sustentável e Sustentabilidade na Escola”.

O volume teve como ponto de partida o projeto Escola Sustentável, vinculado ao ADASA na Escola. Uma pesquisa sobre iniciativas para diminuir o consumo de recursos hídricos e de energia na Escola Jardim de Infância e Casa de Vivência, em Planaltina, deu origem às primeiras discussões para conceber o livro.

O livro e os objetivos globais da ONU

A publicação, em formato de manual, relaciona os caminhos de uma escola rumo à sustentabilidade com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS). O livro também defende que, para se construir colégios sustentáveis, é necessário educar com base nos quatro pilares da educação: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a ser, definidos por Jacques Delors no Relatório da Comissão Internacional sobre a Educação para o Século XXI da UNESCO.

Portanto, para alcançar instituições de ensino sustentáveis, é necessário formar cidadãos com habilidades para conhecer a si mesmo, ao próximo e ao planeta do qual faz parte, para interagir com diversidades e aprender com a experiência, atuando com afeto, respeito, empatia e cooperação.

O livro traz ainda indicações de leitura complementar, que podem ser acessadas na Biblioteca Virtual, localizada na página do projeto ADASA na Escola, no site da Agência.

Participaram da elaboração do livro as seguintes instituições: a Representação no Brasil da UNESCO; Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF); Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Distrito Federal (SEMA/DF); Faculdade de Educação — Universidade de Brasília (FE/UnB); Serviço de Limpeza Urbana (SLU); Escola Técnica de Brasília (ETB); Ministério do Meio Ambiente (MMA); Área de Proteção Ambiental do Planalto Central (ICMBio/APA); Instituto Brasília Ambiental (IBRAM); Instituto Federal de Brasília (IFB/CSAM); Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (CAESB); Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do DF (SINEPE/DF) e o Movimento Nossa Brasília.