Disputa comercial entre EUA e China prejudica economia dos dois países, diz UNCTAD

As tarifas comerciais impostas por Estados Unidos e China estão prejudicando a economia dos dois países, afirma novo estudo da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD).

Desde meados de 2018, as duas partes estão envolvidas em uma disputa comercial com várias rodadas de tarifas retaliatórias. Segundo a pesquisa, as importações dos produtos sujeitos a tarifas caíram mais de 25%.

Vista aérea de Xangai, na China. Foto: ONU Meio Ambiente

Vista aérea de Xangai, na China. Foto: ONU Meio Ambiente

As tarifas comerciais impostas por Estados Unidos e China estão prejudicando a economia dos dois países, afirma novo estudo da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) divulgado no início de novembro (5).

Desde meados de 2018, as duas partes estão envolvidas em uma disputa comercial com várias rodadas de tarifas retaliatórias. Segundo a pesquisa, as importações dos produtos sujeitos a tarifas caíram mais de 25%.

A pesquisa afirma que a situação “provocou uma queda acentuada no comércio bilateral, preços mais altos para consumidores e desvio comercial, com um aumento das importações de países não envolvidos.”

A análise também concluiu que os efeitos estão aumentando com o tempo, mas são diferentes nos dois países.

Nos Estados Unidos, os efeitos são, sobretudo, sentidos pelos consumidores, que pagam preços mais altos. Na China, as perdas afetam mais as empresas, com perdas nas exportações.

A análise também destacou alguns indicadores que mostram que as empresas chinesas começaram recentemente a absorver parte dos custos das tarifas, reduzindo os preços de suas exportações.

Benefícios

Segundo o estudo, enquanto a China e os Estados Unidos perdem bilhões na disputa comercial, algumas economias estão ganhando, incluindo México, União Europeia e Vietnã.

Na China, os setores mais afetados pela redução das exportações foram maquinaria e equipamento de escritório, com uma redução total 15 bilhões de dólares nos primeiros seis meses de 2019.

Perdas também foram notadas em setores como têxteis e vestuário, instrumentos de precisão, equipamento de transporte, setor agroalimentar, metais, mobiliário e produtos químicos.

O estudo não analisou os efeitos das novas tarifas anunciadas nos últimos meses, mas os especialistas da UNCTAD disseram que “os resultados devem ser semelhantes e que mais perdas se devem somar às já existentes.”

Clique aqui para acessar o relatório completo (em inglês).