Diretora-geral da UNESCO condena morte de jornalista na Afeganistão

Anja Niedringhaus, da AP, foi atacada por um policial próximo à fronteira com o Paquistão, um dia antes da eleição presidencial. Uma colega ficou ferida.

A fotojornalista foi morta um dia antes das eleições presidenciais no Afeganistão. Foto: UNAMA/Fardin Waezi

A fotojornalista foi morta um dia antes das eleições presidenciais no Afeganistão. Foto: UNAMA/Fardin Waezi

A diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, afirmou estar chocada com a morte da fotojornalista da Associated Press, Anja Niedringhaus, de 48 anos, no Afeganistão. Sua colega Kathy Gannon, de 60 anos, foi ferida no ataque.

“Estou consternada com o brutal ataque a estas jornalistas e condeno a morte de Anja Niedringhaus”, afirmou Bokova no início desta semana, ao mesmo tempo em que desejou “a rápida recuperação de Kathy Gannon”.

O incidente ocorreu um dia antes das eleição presidencial no país e ambas as jornalistas foram baleadas por um policial na cidade de Khost, próximo da fronteira com o Paquistão.

A diretora-geral da UNESCO sublinhou ainda que a morte da fotojornalista é “uma perda para todos e um ataque às pessoas do Afeganistão num momento em que lutam para construir um futuro melhor e democrático para o seu país”.

Esta é a quinta morte de um jornalista no Afeganistão sobre a qual Bokova se pronuncia em 2014.