Diretora-geral da UNESCO condena assassinato de jornalista paquistanês

Irina Bokova condena assassinato do jornalista paquistanês Faiz Mahammad Kahn Sasoli e apela para que culpados sejam responsabilizados. Sasoli foi baleado enquanto dirigia seu carro em Khuzdar, na província de Baluchistan, no último domingo (27).

Manifestante pedindo o fim do assassinato de jornalistas no Paquistão. Foto: ONU.A Diretora-geral da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), Irina Bokova, condenou nesta quarta-feira (30) o assassinato do jornalista paquistanês Faiz Mahammad Kahn Sasoli – e apelou para que os culpados sejam responsabilizados. Sasoli, correspondente do jornal paquistanês Aaj Kal e da agência Notícias Independentes do Paquistão, foi baleado enquanto dirigia seu carro em Khuzdar, na província de Baluchistan, no último domingo (27).

Segundo a Federação Internacional de Jornalistas, ele já havia recebido ameaças de morte e escapou de duas emboscadas nos últimos 12 meses. “Se a impunidade não é aceitável, muito menos pode existir quando se trata de proteger o direito à informação e à liberdade de expressão, que é o que garante a democracia”, afirmou Bokova em um comunicado à imprensa.

A União Federal Paquistanesa de Jornalistas relatou que os jornalistas Haji Wasi Ahmed e Chishti Mujahid também foram assassinados em Khuzdar, em 2009 e 2008, respectivamente. Ainda este mês, o jornalista televisivo Ejazul Haq foi baleado e morreu ao fazer a cobertura dos ataques na comunidade religiosa Ahmadi, em Lahore.


Comente

comentários