Direitos humanos são essenciais no combate às crises globais, diz Ban Ki-moon em reunião do ACNUR

As Nações Unidas nunca tiveram que lidar com tantas pessoas refugiadas, deslocadas, à procura de asilo ou em necessidade de assistência emergencial para alimentação e sobrevivência.

Crianças sírias refugiadas no Líbano trabalham para suprir necessidades. Foto: ACNUR//G.Beals

Crianças sírias refugiadas no Líbano trabalham para suprir necessidades. Foto: ACNUR//G.Beals

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, instou a comunidade internacional nesta quarta-feira (01) a se engajar em “cooperação sem precedentes” frente à série de dilemas e problemas enfrentados pelo mundo – como o aquecimento do planeta, a disseminação de doenças contagiosas e as progressivas crises.

Para combater as diversas crises globais, Ban enfatizou a importância da atenção prévia e intensa à garantia dos direitos humanos, que devem ser o eixo central da assistência humanitária a milhões de refugiados deslocados por conflitos – que atingem áreas como o Iraque, a Síria, a República Central Africana e o Chifre da África.

As Nações Unidas nunca tiveram que lidar com tantas pessoas refugiadas, deslocadas, à procura de asilo ou em necessidade de assistência emergencial para alimentação e sobrevivência, acrescentou ainda o secretário-geral na reunião anual do Comitê Executivo do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) em Genebra.

Para o secretário-geral, as questões humanitárias não podem estar dissociadas do desenvolvimento e lembrou que a falta de soluções para o deslocamento limitam o progresso do país, solicitando que os planos de desenvolvimento nacionais dos países afetados abordem esta questão.

O discurso desta terça-feira (30) do alto comissário das Nações Unidas para Refugiados, António Guterres, também clamou por medidas de prevenção e resolução de conflitos, a serem iniciadas pelos governos na inibição completa de crises humanitárias. A adequação e a sustentabilidade dos recursos disponíveis para ação humanitária foram colocadas em questão por Guterres, tendo em vista o cenário atual de turbulência na política internacional.