Diplomacia humanitária não está levando a lugar algum na Síria, alerta assessor da ONU

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Na Síria, os civis em áreas sob cerco não viram um único comboio de ajuda humanitária chegar por dois meses completos, afirmou em fevereiro (1º) o assessor sênior das Nações Unidas Jan Egeland. Dirigente lamentou que os esforços diplomáticos parecem ‘totalmente impotentes’ e que, como resultado, centenas de vidas estão sendo perdidas.

Sírios migram após deixarem zona rural de Raqqa controlada pelo Estado Islâmico. Foto: UNICEF/Delil Soulaiman

Sírios migram após deixarem zona rural de Raqqa controlada pelo Estado Islâmico. Foto: UNICEF/Delil Soulaiman

Na Síria, os civis em áreas sob cerco não viram um único comboio de ajuda humanitária chegar por dois meses completos, afirmou em fevereiro (1º) o assessor sênior das Nações Unidas Jan Egeland. Dirigente lamentou que os esforços diplomáticos parecem “totalmente impotentes” e que, como resultado, centenas de vidas estão sendo perdidas.

Durante coletiva de imprensa em Genebra após uma reunião da força-tarefa humanitária apoiada pela ONU, Egeland, que aconselha o enviado especial da ONU para a Síria, relatou que o comboio de assistência mais recente chegou no dia 28 de novembro de 2017 à cidade de al-Nashibiya, levando mantimentos para apenas 7,2 mil pessoas.

Muitos civis deixaram as áreas de conflito e se refugiaram na região ao redor de Idlib, onde confrontos, porém, já se intensificaram, deixando a população com quase nenhuma outra escolha a não ser se deslocar novamente.

Egeland disse que a história da guerra na Síria é a de milhões de pessoas que fogem por suas vidas. Em sua avaliação, o cenário “grita por um cessar-fogo”. “Esta é uma guerra em que os homens armados estão se especializando no sofrimento das populações civis”, criticou o assessor.

O especialista acrescentou que o fim dos confrontos é essencial e que isso exige cooperação da Rússia, Irã e Turquia.

Perguntado se a recente reunião das partes sírias da guerra na cidade russa de Sochi poderia melhorar a situação humanitária, Egeland disse esperar progressos, mas afirmou que os encontros não deram resultados até agora. Para dirigente, “ainda é muito cedo” para saber o que poderá advir das negociações.


Comente

comentários