Dia Mundial da Alimentação: secretário-geral da ONU alerta para 800 milhões de pessoas passando fome

No mundo, um terço da produção mundial de alimentos é desperdiçado ou inutilizado. Novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) preveem a erradicação da fome até 2030.

Refugiados fogem da crise de fome na Somália, em 2011. Foto: WikiCommons / Oxfam East Africa

Refugiados fogem da crise de fome na Somália, em 2011. Foto: WikiCommons / Oxfam East Africa

“A fome é mais do que falta de comida, é uma injustiça terrível”, afirmou o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, nesta sexta-feira (16), Dia Mundial da Alimentação. Em pronunciamento, o dirigente da ONU destacou que aproximadamente 800 milhões de pessoas passam fome no mundo. O secretário também ressaltou que a comunidade internacional deve se empenhar para erradicar esse mal até 2030, conforme determinam os novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

“Cumprir a promessa da Agenda 2030 não será possível sem um rápido progresso rumo à erradicação da fome e da subnutrição”, afirmou Ban Ki-moon A meta está prevista pelo segundo Objetivo Global e seu cumprimento será importante para a realização dos outros ODS.

Segundo o secretário-geral, o número de pessoas subnutridas caiu quase pela metade desde 2000. Apesar dos avanços, um grande contingente de pessoas ainda não tem acesso à alimentação. “Ao mesmo tempo, num mundo onde um terço de toda comida produzida se perde ou é desperdiçado e onde produzimos o suficiente para alimentar a todos, quase 800 milhões ainda passam fome”, destacou o dirigente.

Ban Ki-moon também afirmou que a maneira como os indivíduos escolhem cultivar, processar, distribuir e consumir alimentos tem efeitos profundos para os povos, a prosperidade, o planeta e a paz. “Acabar com a fome é responsabilidade de todos”, disse. O secretário-geral ressaltou ainda a importância de programas de proteção social para populações rurais vulneráveis, bem como a necessidade de empoderar as mulheres que trabalham no campo.