Dia Internacional dos Migrantes: 2014 tem maior número de mortes de migrantes já registrado

Ban Ki-moon insta todos os países a adotar políticas de migração em acordo com os direitos humanos internacionais, promovendo os canais legais de deslocamento. Quase 5 mil migrantes morreram em 2014 em viagens perigosas.

Migrantes enfrentam viagem marítima arriscada em embarcação superlotada. Foto: ACNUR/A. D'Amato

Migrantes enfrentam viagem marítima arriscada em embarcação superlotada. Foto: ACNUR/A. D’Amato

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu a proteção dos direitos humanos dos mais de 232 milhões de migrantes do mundo, uma vez que muitos ainda vivem e trabalham sob condições injustas e precárias. A declaração marcou o Dia Internacional dos Migrantes, celebrado nesta quinta-feira (18).

Quase 5 mil migrantes morreram em 2014 em viagens perigosas pelo mar, por desertos remotos ou por montanhas – o que representa o aumento de 100% de mortes de migrantes em relação ao ano anterior e o maior número de fatalidades já registrado.

Além disso, essas pessoas são vítimas de abusos, discriminação e encarceramento quando chegam em outros países. Nesse sentido, as crianças são especialmente vulneráveis a tais violações dos direitos humanos.

Ban ressaltou que a agenda de desenvolvimento pós-2015 é uma oportunidade para garantir que as necessidades das camadas mais pobres e marginalizadas sejam uma prioridade. Para isso, instou todos os Países-membros a adotar políticas de migração em acordo com os direitos humanos internacionais, promovendo os canais legais de deslocamento.

O diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações (OIM), William Lacy Swing, ressaltou que a migração não é apenas inevitável, mas também necessária e desejável – especialmente para as sociedades que enfrentam processos de envelhecimento populacional e, por isso, se beneficiam da força de trabalho estrangeira.