Dia Internacional da Mulher – 8 de março de 2012

“A igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres estão ganhando espaço em todo o mundo. Há mais mulheres desempenhando funções de chefes de estado e de governo do que nunca antes e a proporção de mulheres que desempenham cargos ministeriais é a maior de e todos os tempos. (…)” Mensagem do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon.

Mensagem do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon

A igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres estão ganhando espaço em todo o mundo. Há mais mulheres desempenhando funções de chefes de estado e de governo do que nunca antes e a proporção de mulheres que desempenham cargos ministeriais é a maior de e todos os tempos. As mulheres têm cada vez mais influência no mundo dos negócios. Em nossos dias, mais meninas vão à escola e crescem mais saudáveis e melhor equipadas para desenvolver seu potencial.

Apesar desta dinâmica, ainda há um longo caminho a percorrer antes de podermos dizer que as mulheres e meninas gozam plenamente de seus direitos fundamentais, da liberdade e dignidade que lhes é devida desde o berço e que lhes garantem o seu bem-estar. Em nenhuma outra parte isto é tão visível como no mundo rural. As mulheres e meninas que vivem nas áreas rurais, a quem este ano é dedicado o Dia Internacional da Mulher, representam um quarto da população global, no entanto, geralmente figuram sempre no final da tabela dos indicadores econômicos, políticos e sociais, desde o rendimento à saúde, passando pela educação e participação nos processos de decisão.

Quase meio milhão de mulheres trabalha como pequenas agricultoras ou trabalha em explorações agrícolas que não lhes pertencem, representando uma grande parte da força de trabalho do setor agrícola. As mulheres fazem a maior parte do trabalho não-remunerado nas áreas rurais, no entanto continuam sendo impedidas de realizar seu potencial. Se a mulher rural tivesse igual acesso aos recursos produtivos, a produção agrícola cresceria 4%, reforçando a nutrição e segurança alimentar e aliviando a fome de cerca de 150 milhões de pessoas. Se lhes fosse dada a oportunidade, as mulheres do mundo rural poderiam ajudar também a acabar com a tragédia silenciosa do atraso do crescimento que afeta quase 200 milhões de crianças em todo o mundo.

As leis e práticas discriminatórias não afetam apenas as mulheres, mas sim comunidades e países inteiros. Nos países onde as mulheres não têm direito à propriedade da terra ou acesso ao crédito existem mais crianças desnutridas. É absurdo que as mulheres agricultoras se beneficiem de apenas 5% dos Serviços de Aconselhamento Agrícola. Apoiar a mulher rural é um investimento inteligente para qualquer país que quer se desenvolver.

As dificuldades que enfrentam as mulheres e as moças do mundo rural espelham o que acontece em toda a sociedade: a persistência da barreira invisível que as impede de progredir, a violência sempre presente no lar, no trabalho e em tempo de conflitos, a preferência dada aos rapazes na educação, e as centenas de milhares de mulheres que morrem todos os anos ao dar à luz, vítimas de falta de cuidados de obstetrícia. Mesmo nos países com o mais elevado nível de igualdade ainda existe disparidade em relação ao rendimento e as mulheres continuam estando menos representadas nos centros de decisão política e econômica.

Neste Dia Internacional da Mulher, apelo aos Governos, sociedade civil e ao sector privado que se empenhem na promoção da igualdade de gênero e empoderamento das mulheres como um direito humano fundamental e uma força importante para o benefício de todos. A energia, talento e força das mulheres e meninas é o mais valioso e intocado recurso natural da humanidade.