Dia Internacional da Diversidade Biológica – 22 de maio de 2008

“Este Dia Internacional serve para lembrar a importância de biodiversidade do planeta e pretende chamar a atenção para as devastadoras perdas que estamos sofrendo em um momento em que espécies insubstituíveis se extinguem em um ritmo sem precedentes. Ao procurarmos superar este problema, devemos tomar a agricultura como ponto de partida. As culturas e aves.” Leia mensagem de >Ban Ki-moon, Secretário-Geral da ONU.

Ban Ki-moon, Secretário-Geral da ONU

Este Dia Internacional serve para lembrar a importância de biodiversidade do planeta e pretende chamar a atenção para as devastadoras perdas que estamos sofrendo em um momento em que espécies insubstituíveis se extinguem em um ritmo sem precedentes.

Ao procurarmos superar este problema, devemos tomar a agricultura como ponto de partida. As culturas e aves domésticas dos nossos dias são um reflexo da gestão humana. E as notícias não são boas. Cerca de um quinto das raças de animais domésticos estão sob risco de extinção, perdendo-se, em média, uma raça por mês. Das sete mil espécies de plantas domesticadas ao longo dos dez mil anos de história da agricultura, apenas 30 são utilizadas para produzir a grande maioria dos alimentos que consumimos diariamente. Depender de um número tão reduzido de espécies para garantir nosso sustento é uma estratégia que está condenada ao fracasso.

As mudanças climáticas complicam a situação. As variações de temperatura e do volume de precipitações estão causando danos enormes nas culturas agrícolas. Os peritos dizem que estes fatores poderão custar à parte sul da África até 30% das suas colheitas de milho até 2030. A diversidade das culturas e dos animais de pecuária é a nossa maior garantia contra as mudanças climáticas.

A produção animal é por si mesma um fator determinante das mudanças climáticas, pois é responsável por mais emissões de gases que aumentam o efeito estufa do que os transportes. Este setor representa uma ameaça direta para a biodiversidade; aproximadamente um quinto da biomassa animal terrestre destina-se aos animais de pecuária – terras que já foram habitat de fauna e flora selvagens e que poderiam ajudar a atenuar consideravelmente os impactos das mudanças climáticas.

Em um mundo em que se prevê que a população aumentará 50% até o ano de 2050, estas tendências poderão muito bem significar fome e desnutrição generalizadas, criando condições favoráveis ao alastramento da pobreza, de doenças e mesmo de conflitos.

A preservação da preciosa biodiversidade de nosso planeta é essencial para o desenvolvimento e a segurança. Não são apenas os animais e culturas das zonas agrícolas, mas também os muitos milhares de plantas e animais que existem nas florestas, nos oceanos e em outros ecossistemas que precisam ser protegidos para preservar o equilíbrio ambiental fundamental do planeta.

Temos que unir esforços no sentido de encontrar soluções. Como, por exemplo, o Plano de Ação Mundial sobre os Recursos Genéticos Animais, adotado em setembro passado em uma reunião apoiada pelas Nações Unidas. As partes na Convenção sobre Diversidade Biológica vão reunir-se em maio para trabalhar com todos os outros parceiros, redobrando esforços na tentativa de reduzir a perda de biodiversidade e procurando, simultaneamente, alcançar as metas mundiais fixadas para 2010.

Continuamos todos a ter interesse em promover o bom funcionamento dos ecossistemas caracterizados pela diversidade de espécies e recursos genéticos, visando garantir a sustentação da vida em toda parte. É tarde demais para anular os danos causados ao planeta, mas nunca é demasiado cedo para começar a preservar tudo o que nos resta. Que este Dia Internacional da Diversidade Biológica nos una nesta missão.