Manifeste-se pelos direitos de alguém hoje

Muitos sentem medo dos rumos que o mundo está seguindo. Movimentos extremistas sujeitam as pessoas a violências horríveis. Conflitos e privações estão tirando famílias de casa. As mudanças climáticas turvam nosso horizonte – e, em qualquer lugar, parece, a ansiedade aumenta. Valores humanos estão sob ataque e nos sentimos sufocados – inseguros sobre o que fazer ou para onde ir.

Mensagens de intolerância e ódio atormentam nossos medos. Elas são espalhadas por pessoas que buscam o poder, utilizando lógica enviesada e falsas promessas, fabricando flagrantes mentiras. São narrativas que falam de egoísmo, separatismo – uma visão distorcida e limitada do mundo. Aos poucos, esta nociva onda de ódio está crescendo ao nosso redor e princípios profundos e vitais que protegem a paz nas sociedades estão sendo varridos.

Precisamos impor limites – e nós podemos. Há um outro jeito. E começa com cada um de nós tomando atitudes práticas para reafirmar nossa humanidade em comum.

O Escritório de Direitos Humanos da ONU defende valores que são as raízes para a paz e a inclusão. Nós defendemos soluções práticas contra o medo e a injustiça, para que os governos possam proteger os direitos de todas as pessoas, em linha com o direito internacional. Nós monitoramos suas políticas e os chamamos caso eles falhem. Manifestamo-nos por mais liberdade. Forte respeito. Mais compaixão.

Junte-se a nós. Ajude-nos a quebrar o padrão nocivo de um mundo medroso e embarque num futuro mais pacífico e sustentável. Não temos que nos expor enquanto quem destila ódio provoca hostilidade entre comunidades – podemos construir pontes. Onde quer que estejamos, podemos fazer a diferença, de verdade. Na rua, na escola, no trabalho, no transporte público, na urna, nas mídias sociais, em casa e nos campos de esporte.

Onde houver discriminação, podemos nos manifestar para ajudar a garantir o direito de alguém de viver sem medo ou abuso. Podemos levantar nossas vozes por valores decentes. Junte-se a outras pessoas para publicamente cobrar uma melhor liderança, leis melhores e mais respeito pela dignidade humana.

A hora é agora. Nós, cidadãos, podemos nos manifestar pelos direitos. Conte-nos o que você está fazendo e nós reuniremos suas histórias e amplificaremos sua voz. Ações locais podem contribuir para um movimento global. E juntos podemos nos manifestar por mais humanidade.

Começa com cada um de nós.

Manifeste-se pelos direitos humanos hoje.

Manifeste-se pelos direitos humanos hoje – Faça!

No Dia dos Direitos Humanos, 10 de dezembro de 2016, o Escritório das Nações Unidas para Direitos Humanos lança a campanha “Manifeste-se pelos direitos humanos hoje”. Queremos encorajar, incentivar e reconhecer o que você faz na sua rotina, junto com milhões de outras pessoas pelo mundo, para apoiar os direitos humanos – no trabalho, no esporte, na escola, na rua, onde quer que você esteja.

Todos nós precisamos e podemos fazer algo para defender os direitos humanos. Junte-se a nós. Juntos podemos mudar o caminho.

Se você quiser se manifestar conosco mas não sabe muito bem o que fazer, aqui estão algumas ideias:

1) Informe-se e conte aos outros porque os direitos humanos importam

  • Leia e compartilhe a Declaração Universal dos Direitos Humanos;
  • Faça um vídeo de você com um amigo falando porque você acha que a questão dos direitos humanos é importante (por exemplo, não discriminação, igualdade de gênero ou liberdade de expressão);
  • Promova nas redes sociais histórias de pessoas que você conhece que apoiam a questão dos direitos humanos.

2) Denuncie quando o direito de alguém estiver em perigo

  • Se você vir alguém sendo assediado, sofrendo bullying ou sendo ridicularizado na rua, no transporte público, fazendo compras ou na escola, defenda esta pessoa;
  • Use as mídias sociais para apoiar pessoas que estejam sofrendo represálias por defender os direitos humanos, como por exemplo ativistas, líderes indígenas, ambientalistas, advogados, sindicalistas, jornalistas etc;
  • No trabalho, em casa, na mesa de jantar: ajude alguém cuja voz raramente é ouvida a compartilhar suas ideias.

3) Manifeste-se pelos direitos humanos dos outros

  • Contribua com organizações que apoiam vítimas que sofrem abusos;
  • Participe de eventos públicos em prol dos direitos humanos – virtualmente ou presencialmente;
  • Seja voluntário em um grupo que promova a defesa dos direitos humanos.

4) Cobre que os líderes apoiem os direitos humanos

  • Pressione o seu governo a apoiar direitos: assine petições sobre o tema, pressione parlamentares a aprovar leis amigáveis aos direitos humanos e a rejeitar leis contrárias ao tema;
  • Peça que seu empregador assine o Pacto Global; promova a celebração dos direitos humanos no ambiente de trabalho (exemplos: não discriminação, políticas familiares, condições de trabalho decentes, equiparação salarial para trabalhos similares);
  • Peça que seus líderes comunitários (religiosos, locais, de esporte ou cultura) façam comprometimentos públicos pelos direitos humanos.

5) Ações no dia-a-dia

  • Combata mitos com fatos: nas conversas – ao vivo ou online –, desafie estereótipos nocivos;
  • Defenda a tolerância e se mobilize contra o preconceito. Policie-se, desafie-se nas suas próprias visões e preconceitos;
  • Avalie os dados de direitos humanos de empresas antes de comprar. Um dos exemplos é o aplicativo “Moda Livre”, que avalia as ações que as principais empresas do setor da moda vêm tomando para evitar que as suas peças sejam produzidas por mão de obra escrava (mais aqui);
  • Fale com as crianças sobre os direitos humanos e aponte modelos e papéis positivos e diferentes.

Nas próximas semanas, compartilharemos mais materiais e explicaremos como se engajar conosco na defesa dos direitos humanos.

Enquanto isto, por favor, faça o download da logomarca da campanha e comece a espalhar a ideia e nos conte o que você está fazendo. Contamos com seu apoio e ação!


“Onde, afinal, começam os direitos humanos universais ? Nos pequenos lugares, perto de casa – tão perto e tão mínimo que não podem ser vistos em nenhum mapa do mundo. (…)
A menos que estes direitos tenham algum significado ali, eles têm pouco significado em qualquer outro lugar. Sem uma ação cívica planejada para mantê-los perto de casa, nós procuraremos em vão pelo progresso num mundo maior.”
– Eleanor Roosevelt

Eleanor Roosevelt - Foto: ONU

Eleanor Roosevelt – Foto: ONU