Dez anos após fim da guerra civil em Serra Leoa, ONU pede que país aborde causas do conflito

Representante da ONU elogiou progressos e lembrou que país restaurou autoridade do Estado, ampliou os serviços públicos e fez reformas nos setores de segurança.

Representante Executivo do Secretário-Geral das Nações Unidas em Serra Leoa, Jens Anders Toyberg-Frandzen, no Conselho de Segurança da ONU. Foto: ONU / JC McIlwaine

Representante Executivo do Secretário-Geral das Nações Unidas em Serra Leoa, Jens Anders Toyberg-Frandzen, no Conselho de Segurança da ONU. Foto: ONU/JC McIlwaine

O Representante Executivo do Secretário-Geral das Nações Unidas em Serra Leoa, Jens Anders Toyberg-Frandzen, informou nesta quarta-feira (13) o Conselho de Segurança da ONU sobre os progressos realizados por Serra Leoa desde o fim da guerra civil, há 10 anos. Ele ressaltou, no entanto, que o país ainda precisa garantir um sistema de governo que aborde as causas profundas do conflito, incluindo as tensões étnicas.

“É essencial que a prevista revisão constitucional seja um processo inclusivo que garanta a entrada para todas as partes interessadas”, disse ele, acrescentando que instituições como a Comissão Nacional Eleitoral devem ser reforçadas.

“[Serra Leoa] fez um progresso significativo desde o fim da guerra, há mais de uma década. Durante esse período, foi capaz de restaurar e consolidar a autoridade do Estado, implementar programas de recuperação nacional, incluindo a ampliação dos serviços públicos, bem como realizar reformas no governo e nos setores de segurança.”

Durante 11 anos, Serra Leoa sofreu uma guerra civil após o grupo rebelde Frente Unida Revolucionária intervir na tentativa de derrubar o então Presidente do país, Joseph Momoh. O conflito, que durou de 1991 a 2002, foi muitas vezes marcado por atos de extrema brutalidade, como gangues armadas praticando saques, recrutando crianças-soldado e realizando a amputação de membros como um método de intimidação de civis.

Em novembro de 2012, o país realizou com sucesso eleições nacionais presidenciais, legislativas e locais. Foram a terceira desde o fim da guerra civil no país e a segunda desde a retirada da Missão das Nações Unidas em Serra Leoa (UNAMSIL), em dezembro de 2005.

Essa Missão foi substituída por vários outros escritórios da ONU e, mais recentemente, pelo Escritório Integrado das Nações Unidas de Consolidação da Paz (UNIPSIL), que se concentra em atividades políticas e de desenvolvimento.

“O forte compromisso do povo de Serra Leoa e de seus sucessivos governos pós-conflito tem sido indispensável para as realizações feitas pelo país e para o trabalho bem sucedido das Nações Unidas ao longo dos últimos 15 anos”, disse Toyberg-Frandzen em sua apresentação do relatório do Secretário-Geral sobre a UNIPSIL.