Desenvolvimento no Afeganistão pode ser prejudicado pelos sistemas de governo, diz enviado da ONU

Capacidade restrita e planejamento insuficiente do lado civil também podem ser prejudiciais, disse Ján Kubiš.

O Representante Especial para o Afeganistão, Ján Kubis, disse que o desenvolvimento no país asiático pode ser afetado pelo mal funcionamento dos sistemas de governo. (ONU/Evan Schneider)

“O mal funcionamento do governo no Afeganistão está prejudicando o desenvolvimento do país”, disse na quarta-feira (19) o Representante Especial do Secretário-Geral para o Afeganistão, Ján Kubis, ao Conselho de Segurança. “Os ganhos de desenvolvimento estão em risco por causa dos sistemas subnacionais de governança fracos e inadequados, pela falta de apoio do nível central e a capacidade restrita e planejamento insuficiente do lado civil”, completou Kubis.

Segundo o Representante Especial, houve avanços, como na área da educação para as crianças, “impensável há uma década”, a existência de cidades e aldeias movimentadas e trabalhadoras, os esforços anticorrupção na região e o compromisso do governo com os direitos humanos e o desenvolvimento econômico.

Kubis rejeitou o que ele chama de “representação implacável” da mídia em relação à nação asiática, como um lugar exclusivamente de conflitos e terror. No entanto, o funcionário da ONU lembrou as necessidades humanitárias no país, um dos mais pobres do mundo, mas que não recebeu as doações necessárias em 2012, apenas 48% dos 448 milhões de dólares solicitados para a nação que também sofre com o “efeito corrosivo” da indústria de narcóticos.

A retirada da maior parte das tropas dos Estados Unidos e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) do Afeganistão está prevista para ser concluída até o final de 2014, enquanto uma transição de responsabilidade pela segurança no país, de forças da OTAN para forças afegãs, já está em andamento. O país sofre por conflitos entre as tropas estrangeiras e do governo nacional contra o grupo islâmico Taliban.


Comente

comentários