Desafios na África Central exigem apoio internacional contínuo, diz enviado da ONU

Chefe do escritório da ONU para a África Central destacou iniciativas das Nações Unidas para promover a estabilidade na região e alertou sobre os desafios ainda existentes.

Um membro da tripulação se prepara para embarcar em um navio-tanque que havia sido sequestrado por piratas no Benin. Foto: IRIN/Daniel Hayduk

Um membro da tripulação se prepara para embarcar em um navio-tanque que havia sido sequestrado por piratas no Benin. Foto: IRIN/Daniel Hayduk

O representante especial do secretário-geral e chefe do Escritório da ONU para a África Central (UNOCA), Abou Moussa, disse ao Conselho de Segurança da ONU, nesta segunda-feira (12), que ganhos significativos foram conquistados nos últimos anos nos países da África Central, mas a sub-região ainda enfrenta inúmeros desafios que exigem o apoio internacional contínuo.

“Apesar dos esforços feitos pelos líderes dos países da África Central e do seu povo, a sub-região permanece frágil e continua necessitando de apoio contínuo por parte da comunidade internacional, em particular das Nações Unidas”, disse Moussa.

Em sua entrevista final ao Conselho, Moussa, que será substituído por Abdoulaye Bathily, do Senegal, destacou iniciativas da ONU para promover a estabilidade na sub-região, incluindo enfrentar a ameaça e o impacto do LRA, um grupo armado violento que está prejudicando a estabilidade da região, bem como resolver desafios de segurança críticos, tais como a pirataria e assaltos à mão armada no Golfo da Guiné.

Ele informou que o número de mortes, sequestros e pessoas deslocadas relacionadas com o LRA continuam caindo, enquanto as operações militares e a campanha de deserções estão enfraquecendo ainda mais o grupo.

Situação dos países da Africa Central

Moussa também informou sobre outros aspectos do recente relatório do secretário-seral sobre as atividades da UNOCA, incluindo suas missões no Chade, Camarões, República do Congo e República Democrática do Congo.

Ele destacou as consequências regionais da crise no República Centro-Africana (RCA), incluindo os desafios humanitários enfrentados pelos governos e agências da ONU.

O representante especial também expressou preocupação com o impacto dos combates entre o exército nigeriano e o grupo Boko Haram, que já resultou no deslocamento de dezenas de milhares de refugiados nigerianos e no retorno de imigrantes para o norte do Camarões e Chade.

Ele acrescentou que, com o apoio contínuo e orientação do Conselho, a UNOCA continuará a desempenhar um papel fundamental no apoio aos países da sub-região para enfrentar desafios urgentes.

Em uma declaração presidencial, o Conselho manifestou a sua preocupação com a deterioração da situação da segurança em partes da África Central, em especial a crise na RCA. O órgão também falou sobre a insegurança marítima no Golfo da Guiné, o comércio ilegal de animais silvestres e o crime organizado transnacional.