Denise Hills, do Itaú Unibanco, assume a presidência da Rede Brasil do Pacto Global

A superintendente de sustentabilidade e negócios inclusivos do Itaú Unibanco, Denise Hills, assumiu na semana passada (9) a presidência da Rede Brasil do Pacto Global da ONU no lugar do diretor comercial da BASF América do Sul, André Oliveira.

Denise tem quase 30 anos de experiência no mercado financeiro. Em 2010, assumiu a liderança da área de Sustentabilidade no Itaú Unibanco e, mais recentemente, a área de Negócios Inclusivos, onde estão os programas de Microcrédito e Itaú Mulher Empreendedora. Ela está diretamente envolvida com iniciativas da ONU relacionadas ao setor financeiro.

Denise Hills é vice-presidente e coordenadora do grupo de trabalho para os objetivos globais da Rede Brasil do Pacto Global e superintendente de sustentabilidade e negócios inclusivos do Itaú Unibanco. Foto: Rede Brasil do Pacto Global/Fellipe Abreu

Denise Hills assume a presidência da iniciativa e idealizou o grupo temático. Foto: Rede Brasil do Pacto Global/Fellipe Abreu

A superintendente de sustentabilidade e negócios inclusivos do Itaú Unibanco, Denise Hills, assumiu na semana passada (9) a presidência da Rede Brasil do Pacto Global da ONU no lugar do diretor comercial da BASF América do Sul, André Oliveira.

“Tenho certeza de que deixo a Rede Brasil do Pacto Global em excelentes mãos”, disse Oliveira na ocasião da troca de comando, ocorrida durante a reunião do Comitê Brasileiro do Pacto Global (CBPG).

Primeira mulher a presidir a Rede Brasil, Denise ocupava o posto de vice-presidente da iniciativa desde 2015. Ela agradeceu as boas-vindas e a confiança do conselho que lhe designou para o cargo.

“Quero expressar meu profundo respeito por tudo o que o Pacto Global desenvolve e pelo que ainda pode ser feito. Esta é uma grande oportunidade”, ressaltou. No cargo mais alto da hierarquia da Rede Brasil, Denise assumirá a presidência até 2019, quando a diretoria da iniciativa será submetida a nova eleição pelo CBPG.

Além de Denise, compõem o conselho da Rede Brasil do Pacto Global a diretora de comunicação, imprensa e sustentabilidade da B3, Sonia Favaretto; a diretora de sustentabilidade da Enel, Marcia Massotti; o diretor de sustentabilidade da CPFL Energia, Rodolfo Sirol; e a diretora de assuntos corporativos da BASF América do Sul, Cristiana Brito, que assume o lugar de Oliveira.

Denise tem quase 30 anos de experiência no mercado financeiro. Em 2010, assumiu a liderança da área de Sustentabilidade no Itaú Unibanco e, mais recentemente, a área de Negócios Inclusivos, onde estão os programas de Microcrédito e Itaú Mulher Empreendedora. Ela está diretamente envolvida com iniciativas da ONU relacionadas ao setor financeiro.

A executiva também é membro do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), e da Comissão de Sustentabilidade da Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN). Denise também compõe a Comissão de Estudos de Sustentabilidade para as Empresas do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC).

Entre as atividades na Rede Brasil do Pacto Global, Denise idealizou e coordena o Grupo Temático ODS, que trabalha para criar e promover metodologias para a inserção dos objetivos globais nas estratégias de negócios das empresas. Em recente entrevista para a Rede Brasil do Pacto Global, Denise lembrou a importância do alinhamento das ações da Rede Brasil com os ODS.

“A implantação da Agenda 2030 e o alcance dos ODS é um tema que precisa estar integrado entre os diversos atores. Quanto mais próximos estiverem a agenda pública, a sociedade civil e o setor privado, mais facilmente conseguiremos cumprir nossos objetivos”, declarou na ocasião.

“A Rede Brasil do Pacto Global vem impulsionando diversas empresas e outras organizações no país a adotarem a cidadania empresarial como padrão para a gestão de seus negócios e na intensificação deste movimento onde ele já se encontra de certa forma consolidado. No entanto, a nova Agenda 2030 da ONU convida as organizações, não só a repensarem sua atuação, como a ampliarem, fortalecerem e investirem no alcance dos ODS para que dessa forma os pilares de sucesso dos negócios sejam sustentáveis”, afirmou.