Demolições israelenses deslocaram número recorde de crianças palestinas em maio

A Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA) informou hoje (09/06) que a demolição de casas israelenses deslocou 67 crianças palestinas em maio, um recorde neste ano.

A Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA) informou hoje (09/06) que a demolição de casas israelenses deslocou 67 crianças palestinas em maio, um recorde neste ano. Números divulgados pela agência mostram que 304 adultos e crianças já foram deslocados ou afectados pelas demolições na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental em 2011. O recorde mensal anterior para o número de crianças deslocadas foi de 66, em março.

“O número de afetados e pdeslocados inclui pessoas que não foram necessariamente deslocadas por demolições, mas que foram afetadas porque algumas instalações vitais, como um sistema de abastecimento de água, foram destruídas”, disse o porta-voz da UNRWA, Chris Gunness.

Sob a política de assentamentos israelenses, os palestinos são autorizados a construir em 13% da área ocupada de Jerusalém Oriental e em 1% da Área C, território controlado por israelenses na Cisjordânia, que já é muito edificado. “As autorizações para construções dos palestinos são recusadas e eles são forçados a construir ilegalmente. Sofrem a humilhação de ter tanto as autoridades israelenses destruindo suas casas como de serem forçados a destruir eles próprios suas casas e pagar o preço,” disse Gunness. “As crianças muitas vezes vêem, com seus pais, suas casas serem demolidas. Uma casa é um lugar de segurança e conforto para a maioria das crianças em todo o mundo. Uma casa demolida é um futuro destruído.”

“Sob a lei internacional, Israel deve garantir às pessoas sob sua jurisdição o cumprimento de seus direitos humanos, incluindo o direito à moradia, à saúde, à educação e à água. A UNRWA pede que Israel respeite suas obrigações legais,” completou o porta-voz.

A UNRWA anunciou também um novo site para monitorar doações. A agência fornece proteção, assistência e apoio a cerca de 4,8 milhões de refugiados palestinos registrados na Jordânia, no Líbano, na Síria e nos territórios palestinos ocupados, enquanto aguarda-se uma solução para seu sofrimento.