Delegação de Botsuana vem ao Brasil conhecer iniciativas de combate à fome

Ao longo da semana passada, uma delegação ministerial de Botsuana esteve no Brasil para conhecer as experiências de combate à fome do país sul-americano. Viagem foi organizada com o apoio do Centro de Excelência contra a Fome, organismo do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA). Autoridades fizeram visita de campo no Distrito Federal para entender como funcionam as compras públicas de alimentos da agricultura familiar para as escolas brasileiras.

Autoridades ministeriais de Botsuana em visita ao Brasil. Foto: PMA/Sophia Andreazza

Autoridades ministeriais de Botsuana em visita ao Brasil. Foto: PMA/Sophia Andreazza

Ao longo da semana passada, uma delegação ministerial de Botsuana esteve no Brasil para conhecer as experiências de combate à fome do país sul-americano. Viagem foi organizada com o apoio do Centro de Excelência contra a Fome, organismo do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA). Autoridades fizeram visita de campo no Distrito Federal para entender como funcionam as compras públicas de alimentos da agricultura familiar para as escolas brasileiras.

“O programa de alimentação escolar se destaca dentre as estratégias brasileiras para superar a fome”, afirmou o embaixador e secretário-geral do Itamaraty para África e Oriente Médio, Fernando Abreu, durante cerimônia de abertura da missão, na sede do Ministério brasileiro das Relações Exteriores, em Brasília.

Também presente, o diretor do Centro de Excelência contra a Fome, Daniel Balaban, apresentou os quatro pilares da estratégia brasileira para garantir a fome zero — acesso a alimentos, agricultura familiar, geração de renda e participação social. Dirigente destacou importância do Bolsa Família e da integração do programa a outras iniciativas, como o fornecimento de refeições em centros de ensino.

“O que o Brasil criou funciona para o Brasil, outros países não podem simplesmente copiar e colar, mas eles podem se inspirar nas políticas brasileiras para desenvolver suas próprias soluções”, disse Balaban.

Ministro botsuano de Assuntos Presidenciais e Administração Pública, Eric Mothibi Molale. Foto: PMA/Isadora Ferreira

Ministro botsuano de Assuntos Presidenciais e Administração Pública, Eric Mothibi Molale. Foto: PMA/Isadora Ferreira

“O Centro de Excelência oferece conhecimento profundo sobre as políticas brasileiras, uma parceria com a União Africana e experiência na abordagem multi-setorial da segurança alimentar e nutricional”, acrescentou Peter Rodrigues, diretor-adjunto do Centro. “Nossa principal expertise é a alimentação escolar porque é um dos primeiros pontos de entrada para o desenvolvimento de um país.”

O ministro botsuano de Assuntos Presidenciais e Administração Pública, Eric Mothibi Molale, explicou que integração entre os programas sociais é um dos principais desafios na nação africana. “Os custos econômicos não podem ser decisivos para a implementação de programas sociais. Outras dimensões, como custos sociais, políticos e de integração nacional, precisam ser consideradas”, disse.

Visita de campo

Durante a visita de campo, a delegação de Botsuana visitou uma propriedade agrícola familiar, a Central de Abastecimento do Distrito Federal e um restaurante comunitário.

Autoridades puderam entender como está organizada a cadeia de abastecimento alimentar, como os programas governamentais contribuem para a produção agrícola familiar por meio de compras públicas e como as iniciativas de segurança nutricional estão conectadas entre si.

Na reunião de encerramento, no escritório do Centro de Excelência, Molale afirmou que, no Brasil, “todas as entidades governamentais convergem e trabalham de forma coerente”. Ele elogiou o sistema de cadastro único, a estratégia Fome Zero e as iniciativas para estimular a agricultura familiar, através da assistência técnica, pesquisa agropecuária e compras públicas da agricultura familiar.

Segundo o ministro, é nessas áreas que Botsuana planeja aprofundar a cooperação técnica com o Brasil. “Vimos uma atuação tão sinérgica que acredito que seremos capazes de adaptar essas ideias à nossa situação”, acrescentou o dirigente.