David Beckham se une ao UNICEF em campanha global por crianças

Após um dos anos mais violentos jamais visto para as crianças, o jogador inglês decidiu dedicar o seu tempo para angariar fundos para a proteção da infância.

David Beckham é embaixador da Boa Vontade do UNICEF há 10 anos. Na foto, ele posa junto com crianças afetadas pelo tufão Haiyan nas Filipinas. Foto: UNICEF/Per-Anders Pettersson

David Beckham é embaixador da Boa Vontade do UNICEF há 10 anos. Na foto, ele posa junto com crianças afetadas pelo tufão Haiyan nas Filipinas. Foto: UNICEF/Per-Anders Pettersson

No meio de crises humanitárias crescentes, o jogador de futebol inglês, David Beckham, anunciou nesta segunda-feira (09) uma nova iniciativa em conjunto ao Fundo da ONU para a Infância (UNICEF) para ajudar a arrecadar fundos para proteger jovens e crianças em todo o mundo.

Em homenagem ao número da camisa do ex-capitão da seleção inglesa, a iniciativa se chama ‘7: Fundo David Beckham UNICEF’. Com essa ação, o jogador busca “angariar milhões e lutar pelas crianças em todo o mundo”.

Uma vez que os objetivos da campanha sejam cumpridos, o UNICEF poderá prover serviços de proteção infantil e aconselhamento para crianças em El Salvador, o país com o índice mais alto de homicídio entre crianças; fornecer água potável para comunidades em Burkina Faso, onde uma em cada cinco crianças morrem por causa de diarreia; e apoiar a amamentação para que os bebês possam ter o melhor início de vida em Papua Nova Guiné, onde a desnutrição causou atrasos no crescimento de quase metade de todas as crianças menores de cinco anos, explicou o comunicado de imprensa divulgado pela agência da ONU.

A campanha representa mais uma contribuição de Beckham para melhorar a vida das crianças. Embaixador da Boa Vontade do UNICEF há dez anos, o jogador já participou de várias campanhas de conscientização dos riscos que as crianças enfrentam – incluindo desnutrição, aids e ebola – e viajou com o Fundo para Serra Leoa, África do Sul, Tailândia e mais recentemente para as Filipinas, onde ajudou a angariar fundos para as crianças afetadas pelo tufão Haiyan.

O UNICEF lembrou que 2014 foi um dos mais violentos para as crianças no mundo, principalmente na República Centro-Africana, Iraque, Sudão do Sul, Síria, Ucrânia e Palestina. Estima-se que 230 milhões de crianças vivem em áreas afetadas por conflitos armados e outras 168 milhões exercem algum tipo de trabalho infantil.