Darfur: Em meio a nova onda de violência, milhares de pessoas procuram proteção em bases da ONU

Número de civis fugindo de Jebel Marra, em Darfur, no Sudão, saltou de 38 para 73 mil, em meio a conflitos entre o governo e um grupo rebelde. ONU já está apoiando deslocados com alimentos, água, abrigo, suprimentos médicos e suplementos nutricionais.

Civis que fogem do conflito na área de Jebel Marra, em Darfur, no Sudão, à espera de distribuição de água perto de base da UNAMID em Sortony. Foto: UNAMID / Hagen Siegert

Civis que fogem do conflito na área de Jebel Marra, em Darfur, no Sudão, à espera de distribuição de água perto de base da UNAMID em Sortony. Foto: UNAMID / Hagen Siegert

O número de civis fugindo de conflitos na área de Jebel Marra, em Darfur, no Sudão, saltou de 38 para 73 mil, de acordo com estimativas das Nações Unidas divulgadas nesta semana. A ONU alertou que cerca de 30 mil pessoas fugiram para Sortony, onde os deslocados têm se abrigado perto de uma base operada pela Missão da ONU e da União Africana em Darfur (UNAMID).

Os civis têm deixado Jebel Marra desde que as hostilidades entre o governo e uma facção do Exército de Libertação do Sudão se agravaram, em meados de janeiro. Eles têm se dirigido sobretudo a três locais no estado de Darfur do Norte, incluindo um acampamento estabelecido para os deslocados em Tawilla, que já acomoda 18 mil pessoas desde meados de janeiro.

“A situação continua muito fluida, e as Nações Unidas e os seus parceiros têm equipes no terreno trabalhando para avaliar as necessidades daqueles que chegaram recentemente em Sortony e Tawilla”, disse Marta Ruedas, coordenadora humanitária da ONU no Sudão. “Identificar as necessidades das pessoas vulneráveis ​​é um exercício árduo, mas que é necessário, a fim de proporcionar ajuda humanitária oportuna e orientada.”

Alimentos e outros itens de emergência, incluindo água, abrigo, suprimentos médicos e suplementos nutricionais, foram fornecidos para o recém deslocados no início desta semana, e as Nações Unidas e seus parceiros estão trabalhando para fornecer assistência humanitária adicional, de acordo com um comunicado de imprensa da Organização.

Há relatos de que milhares de pessoas também fugiram para Darfur Central, mas a ONU ainda não teve autorização de verificar os supostos deslocamentos em massa nem responder às necessidades humanitárias, apesar de vários pedidos às autoridades para acessar as áreas relevantes, acrescentou o comunicado.