Daniela Mercury lança em São Paulo a campanha mundial da ONU ‘Livres & Iguais’

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Iniciativa busca promover a liberdade de escolhas e a igualdade de direitos para a população LGBT em todo o mundo.

Iniciativa busca promover a liberdade de escolhas e a igualdade de direitos para a população LGBT em todo o mundo.

Daniela Mercury, sua esposa Malu Verçosa (à esquerda), o prefeito de São Paulo Fernando Haddad e a ativista Keila Simpson com o simbolo campanha Foto: Daniel de Castro/PNUD Brasil

Daniela Mercury, sua esposa Malu Verçosa (à esquerda), o prefeito de São Paulo Fernando Haddad e a ativista Keila Simpson com o simbolo campanha Foto: Daniel de Castro/PNUD Brasil

“É vida, vida, que amor brincadeira, à vera. Eles se amaram de qualquer maneira, à vera. Qualquer maneira de amor vale a pena. Qualquer maneira de amor vale amar.”

Foi com a entoação à capela da música Paula e Bebeto, de Caetano Veloso, que a cantora Daniela Mercury encerrou a cerimônia de lançamento no Brasil da campanha mundial da ONU Livres & Iguais, projeto do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) que busca promover a liberdade de escolhas e a igualdade de direitos para a população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais em todo o mundo.

Designada Campeã da Igualdade pela ONU, a embaixadora do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e vencedora do Prêmio de Direitos Humanos 2013 na categoria ‘Cultura’ falou sobre a importância da luta pela quebra de preconceitos e da necessidade de se eliminar o sentimento de culpa que a própria comunidade LGBT carrega.

“Como é difícil quebrar os padrões e ser diferente da maioria. Principalmente quando a maioria se acha no direito de discriminar e de dizer o que é certo e o que é errado”, disse Daniela a um público de mais de cem pessoas presentes no salão nobre da Prefeitura de São Paulo para a cerimônia de lançamento da campanha.

“Somos iguais, somos normais! Freud disse que nossa sexualidade é caótica e diversa. É certo, é positivo e é saudável ser LGBT”, declarou Daniela. “Precisamos sair desta situação de réus e tratar tudo isso com leveza e tranquilidade”, complementou.

A comunidade LGBT tem sido vítima constante das distintas violações de direitos humanos em razão da orientação sexual e da identidade de gênero.

No Brasil, segundo dados da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, somente no ano de 2011, foram registradas 6.809 denúncias de violações de direitos humanos da população LGBT. Estatísticas apontam que do total de crimes homolesbotransfóbicos fatais registrados no mundo em 2013, 44% deles ocorreram no Brasil.

O lançamento da campanha mundial Livres & Iguais em território nacional faz parte das atividades do Mês do Orgulho LGBT de São Paulo.

A iniciativa do Sistema ONU no Brasil, em parceria com a Prefeitura de São Paulo, dá sequência aos lançamentos regionais da campanha, anunciada mundialmente em julho de 2013, na Cidade do Cabo (África do Sul), pela alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, na companhia do arcebispo emérito sul-africano Desmond Tutu.

Durante estes nove meses, a campanha já alcançou diversos países por meio da mobilização de militantes e defensores de direitos humanos, que têm utilizado e replicado os materiais de informação – incluindo vídeos educacionais, folhetos informativos, fotos e cartões postais digitais – disponíveis no website www.unfe.org, já traduzido para vários idiomas, incluindo o português.

Esquadrão das Drags com o simbolo da campanha. Foto Daniel de Castro/PNUD Brasil

Esquadrão das Drags com o simbolo da campanha. Foto Daniel de Castro/PNUD Brasil

Além de Daniela Mercury, estiveram presentes na cerimônia: o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad; o secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Rogério Sotilli; o diretor do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio), Giancarlo Summa; o representante adjunto do Escritório para a América do Sul do Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos, Humberto Henderson; e a ativista LGBT Keila Simpson, presidenta da ATRAS (Associação de Travestis da Bahia), membro da diretoria da ANTRA (Associação Nacional de Travestis e Transexuais) e do Conselho Nacional LGBT e também vencedora do Prêmio Direitos Humanos 2013 pela categoria LGBT.

Leia também:
‘Livres & Iguais’: campanha mundial da ONU conta com site em português e material para promoção de direitos humanos

Acesse mais fotos do evento clicando aqui.

Acesse todos os vídeos da campanha — de livre reprodução — clicando aqui.

(Matéria do PNUD Brasil, acesse a original clicando aqui e acesso o álbum de fotos do PNUD clicando aqui)


Comente

comentários