Custo de combate à fome é alto devido a conflitos e instabilidade, diz novo estudo da ONU

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Segundo um novo relatório do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, o acesso aprimorado ao auxílio, o reforço de resiliência e os avanços nas redes de sistemas alimentares podem proporcionar uma economia anual de até 3,5 bilhões de dólares em uma época em que há crescentes necessidades humanitárias no mundo todo.

Mulheres transportam alimentos de emergência de um helicóptero do Programa Mundial de Alimentos (PMA) que aterrissou em Thanyang, Sudão do Sul. Foto: UNICEF/Holt

Mulheres transportam alimentos de emergência de um helicóptero do Programa Mundial de Alimentos (PMA) que aterrissou em Thanyang, Sudão do Sul. Foto: UNICEF/Holt

Segundo um novo relatório da ONU, o acesso aprimorado ao auxílio, o reforço de resiliência e os avanços nas redes de sistemas alimentares podem proporcionar uma economia anual de até 3,5 bilhões de dólares em uma época em que há crescentes necessidades humanitárias no mundo todo.

No relatório, o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) analisa um aumento de custos de mais de 140% em um período de sete anos – de 2,2 bilhões de dólares em 2009 para 5,3 bilhões de dólares em 2015. De acordo com o diretor-executivo do PMA, David Beasley, guerras e conflitos dificultam a execução de soluções de longo prazo.

Segundo o PMA, a participação da assistência alimentar internacional na transferência de alimentos diminuiu de 54% para menos de 40% desde 2009. Por outro lado, a participação no âmbito de transferência de dinheiro aumentou de 1% em 2009 para 20% em 2016.

Se os cerca de 80 países nos quais a ONU opera pudessem lidar de uma forma melhor com choques relacionados a clima, política e economia, 2,2 bilhões de dólares anuais poderiam ser economizados.

Além disso, se os sistemas alimentares pudessem ser melhorados nesses países, alcançando efetivamente pessoas que passam fome, mais 440 milhões de dólares seriam economizados anualmente.

O relatório prevê ainda uma economia de cerca de 1 bilhão de dólares a cada ano caso houvesse melhorias como um alcance humanitário mais acessível e seguro. Acesse o estudo clicando aqui.


Mais notícias de:

Comente

comentários