Crise na Venezuela e conflito na Palestina são pauta do Conselho de Direitos Humanos da ONU

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em pronunciamento na abertura da 35ª reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU, alto-comissário do Escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas, Zeid Ra’ad Al Hussein, pediu autorização de entrada para missão na Venezuela, o fim do conflito na Palestina e combate ao terrorismo com respeito aos direitos humanos.

Alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré

Alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré

Em seu pronunciamento na abertura da 35ª reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU, o alto-comissário do Escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH), Zeid Ra’ad Al Hussein, pediu a entrada de uma missão na Venezuela, o fim do conflito na Palestina e o combate ao terrorismo, entre outros tópicos.

Zeid declarou na terça-feira (6) que a crescente crise de direitos humanos na Venezuela revela a necessidade urgente de uma análise imparcial e assistência rápida. “Peço ao governo para aceitar minha solicitação de enviar uma missão de trabalho ao local”, afirmou.

No discurso, ele recorda que, em países onde aparentemente surgem situações críticas e que negam acesso da ONU, a única opção restante é levar a cabo investigações a distância se baseando nos relatórios públicos disponíveis.

O alto-comissário também fez referência ao conflito entre Israel e Palestina e pediu o fim imediato dos 50 anos de ocupação das terras palestinas pelos israelenses. Ele ressaltou que tal desfecho beneficiaria ambas as partes. “Manter a ocupação prolongará uma dor imensa para os dois povos”, acrescentou.

Zeid declarou ainda condenar a brutalidade das ações do grupo terrorista ISIL. “Mais uma vez condeno em termos mais enérgicos os ataques covardes e doentios praticados contra inocentes por parte de terroristas insensíveis que operam em muitas partes do mundo”, disse.

Ele explica que as táticas contra o terrorismo devem ser executadas de forma inteligente, contemplando o respeito aos direitos humanos, já que para cada cidadão detido injustamente se alimenta o sentimento de injustiça contra as autoridades.

O alto-comissário também expressou grave preocupação com as intimidações e represálias que agentes de direitos humanos sofrem de governos e funcionários estatais, lembrando que tais atos atacam um elemento fundamental para o trabalho do Conselho.


Mais notícias de:

Comente

comentários