Crise financeira da ONU está prejudicando mandato e reformas, diz Guterres

A crise financeira das Nações Unidas vem ocorrendo há anos e está prejudicando o mandato e os esforços de reformas da Organização, disse na semana passada (5) o secretário-geral António Guterres ao Quinto Comitê, o órgão responsável pelo orçamento da ONU.

Guterres afirmou que uma eventual incapacidade de a Organização arcar com a folha de pagamentos de funcionários e seus custos com fornecedores seria “catastrófica” para a reputação e para a habilidade das Nações Unidas de realizar suas funções.

“A solução não está apenas em garantir que todos os Estados-membros paguem completamente e no momento correto, mas também em colocar certas ferramentas em vigor”, disse.

Foto: ONU

Foto: ONU

A crise financeira das Nações Unidas vem ocorrendo há anos e está prejudicando o mandato e os esforços de reformas da Organização, disse na semana passada (5) o secretário-geral António Guterres ao Quinto Comitê, o órgão responsável pelo orçamento da ONU.

Guterres afirmou que uma eventual incapacidade de a Organização arcar com a folha de pagamentos de funcionários e seus custos com fornecedores seria “catastrófica” para a reputação e para a habilidade das Nações Unidas de realizar suas funções.

“A solução não está apenas em garantir que todos os Estados-membros paguem completamente e no momento correto, mas também em colocar certas ferramentas em vigor”, disse.

Guterres instou Estados-membros a colocarem de lado diferenças políticas e objeções de longa data a certas propostas e ajudarem a encontrar uma solução às questões estruturais que afetam os problemas de liquidez da Organização.

Pagamentos em atraso somam quase US$ 500 milhões

Apresentando relatório com o objetivo de melhorar a situação financeira da Organização, Guterres destacou que o nível de contas em atraso era de 492 milhões de dólares no final de maio.

“Estamos em um ponto de inflexão, e o que fizermos a seguir será importante para os anos que virão”, disse.

Descrevendo o procedimento orçamentário da ONU como “absurdo”, o secretário-geral disse que é hora de mudanças e de considerar propostas que foram rejeitadas no passado. Entre elas, está a criação de um nível orçamentário que deixará seu escritório livre para gerenciar recursos, com total responsabilização.

A situação atual, disse Guterres, está impedindo que a Organização reembolse, de forma previsível e no tempo correto, os países que contribuem com tropas e policiais, enfraquecendo a capacidade de fornecer apoio vital às operações de paz.

A maior parte dos militares e policiais em operações de paz da ONU vem de países de baixa renda. As contribuições pendentes destinadas às operações de paz agora estão em 1,5 bilhão de dólares.

As propostas do secretário-geral para responder à situação envolvem a criação de um fundo único de financiamento para todas as operações de paz e a criação de um Fundo de Capital de Trabalho para Operações de Paz.