Crimes em Kordofan do Sul podem ser considerados delitos contra a humanidade

Relatório lançado nesta segunda-feira (15/08) descreve uma série de violações cometidas na região. Alegações incluem assassinatos, ataques contra civis e bombardeios.

Um relatório elaborado pelo Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) em conjunto com a Missão da ONU no Sudão (UNMIS) e lançado nesta segunda-feira (15/08) aponta que alegações de violações cometidas em Kordofan do Sul podem constituir crimes de guerra ou contra a humanidade.

O relatório, que compreende o período de 5 a 30 de junho, descreve uma série de violações do direito internacional na cidade de Kadugli, onde aconteceram combates entre as Forças Armadas do Sudão e o Exército Popular de Libertação do Sudão do Norte (SPLA-N). As violações incluem assassinatos, prisões arbitrárias e detenções ilegais, desaparecimentos forçados, ataques contra civis e destruição de propriedades. Também há relatos de bombardeios aéreos em áreas civis em Kadugli e outros lugares de Kordofan do Sul.

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navi Pillay, disse que o relatório mostra que o que vem acontecendo em Kordofan do Sul é tão sério que é necessário um inquérito independente, abrangente e objetivo com o propósito de responsabilizar os autores dos crimes.

Pillay demonstrou preocupação com a continuidade da violência após o período abrangido pelo relatório, e ressaltou que é essencial que haja acesso garantido aos monitores de direitos humanos para realizarem investigações sobre as alegações, e para que agentes humanitários possam levar ajuda às populações afetadas.

Ela disse que a UNMIS tem sido tratada por Forças Armadas e Policiais com negligência em relação ao seu status de órgão das Nações Unidas e pediu ao Governo do Sudão que libere imediatamente qualquer funcionário da ONU que esteja sob custódia, bem como outros detentos, que não cometeram crimes.