Crime transnacional ameaça Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, afirma UNODC

Comissão sobre Prevenção ao Crime e Justiça Criminal reconhece modalidade como um dos principais desafios do século 21 e risco ao desenvolvimento sustentável.

O crime organizado transnacional é um dos principais desafios do século 21 e uma ameaça para o desenvolvimento sustentável e o Estado de Direito, reconheceram os participantes da 21ª Sessão da Comissão sobre Prevenção ao Crime e Justiça Criminal, aberta na segunda-feira (23/04) em Viena, na Áustria.

Para o Diretor Executivo do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), Yury Fedotov, na medida em que a comunidade internacional foi se aproximando de 2015 e fez um balanço dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), houve um crescente reconhecimento de que as ameaças transnacionais são um grande obstáculo para o seu alcance.

“Países fracos e frágeis são particularmente vulneráveis aos efeitos do crime organizado transnacional”, afirmou Fedotov. Estes países, devastados pela guerra ou em transição para a democracia, muitas vezes são debilitados pelo crime. “Como resultado, o crime organizado floresce, os avanços no desenvolvimento são revertidos e as oportunidades para avanços sociais e econômicos são perdidas”, avaliou.

Para mudar a situação, Fedotov disse que as atividades contra o crime devem ser incluídas na agenda de desenvolvimento sustentável, bem como em programas de ação para o Estado de Direito, que formam a base para os direitos humanos.

A 21ª Sessão da Comissão sobre Prevenção ao Crime e Justiça Criminal, presidida pela princesa Bajrakitiyabha Mahidol da Tailândia, conta com a participação de cerca de 800 pessoas, 111 Estados e 38 organizações não governamentais. Nesta edição, a Comissão tem como temas principais a violência contra migrantes e trabalhadores migrantes e suas famílias, mas também discute a supervisão do Estado sobre serviços de segurança privada, combate à pirataria marítima e tratamento de prisioneiros, entre outros assuntos.