COVID-19: UNICEF alerta que desinformação pode espalhar medo e paranoia

A diretora executiva adjunta de Parcerias do UNICEF, Charlotte Petri Gornitzka, alertou que a desinformação durante períodos de crise de saúde pode espalhar paranoia, medo e estigmatização, além de atingir as pessoas pessoas mais desprotegidas ou vulneráveis ao novo coronavírus. Para ela, é necessário uma preparação, com base em evidências científicas, para que as pessoas tomem as precauções necessárias para proteger a sai e as duas famílias contra a COVID-19.

Como exemplo, ela citou uma mensagem online errônea que tem circulando em vários idiomas ao redor do mundo creditando ao UNICEF a informação de que evitar sorvetes e outros alimentos frios poderia ajudar a prevenir o aparecimento da doença. “Naturalmente, isso é totalmente falso”, enfatizou Charlotte Gornitzka.

 

Informações falsas sobre coronavírus podem espalhar medo e paranoia, alerta UNICEF - Foto: Pxhere/CC

Informações falsas sobre coronavírus podem espalhar medo e paranoia, alerta UNICEF – Foto: Pxhere/CC

A diretora executiva adjunta de Parcerias do UNICEF, Charlotte Petri Gornitzka, alertou que a desinformação durante períodos de crise de saúde pode espalhar paranoia, medo e estigmatização, além de atingir as pessoas pessoas mais desprotegidas ou vulneráveis ao novo coronavírus. Para ela, é necessário uma preparação, com base em evidências científicas, para que as pessoas tomem as precauções necessárias para proteger a sai e as duas famílias contra a COVID-19.

Como exemplo, ela citou uma mensagem online errônea que tem circulando em vários idiomas ao redor do mundo creditando ao UNICEF a informação de que evitar sorvetes e outros alimentos frios poderia ajudar a prevenir o aparecimento da doença. “Naturalmente, isso é totalmente falso”, enfatizou Charlotte Gornitzka.

“Para os criadores de tais falsidades, oferecemos uma mensagem simples: PARE. Compartilhar informações imprecisas e tentar imbuí-las de autoridade por meio da apropriação indevida dos nomes daqueles em uma posição de confiança é perigoso e errado”, enfatizou a diretora.

Ela pediu que o publique busque informações precisas sobre proteção contra o coronavírus de fontes verificadas, como UNICEF ou Organização Mundial da Saúde (OMS), autoridades governamentais de saúde e profissionais de saúde confiáveis; e que as pessoas evitem compartilhar informações de fontes não confiáveis ou não verificadas.

“Pode ser difícil na sociedade rica em informações de hoje saber exatamente onde procurar conhecimento sobre como manter você e seus entes queridos em segurança. Mas é fundamental que continuemos tão diligentes quanto à precisão das informações que compartilhamos quanto a todas as outras precauções que tomamos para manter a nós e nossos entes queridos em segurança”, recomendou.

Em comunicado, a diretora reiterou que o UNICEF está “ativamente tomando medidas para fornecer informações precisas sobre o vírus, trabalhando com a OMS, autoridades governamentais e parceiros online como Facebook, Instagram, LinkedIn e TikTok para garantir que informações e conselhos precisos estejam disponíveis, além de tomar medidas para informar o público quando surgirem informações imprecisas”.