COVID-19: Saúde mental na era do novo coronavírus

Desde janeiro, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) determinou o surto da nova doença do coronavírus, COVID-19, como uma “emergência de saúde pública de interesse internacional”, os níveis de estresse em todos os lugares continuaram aumentando.

“Seja empático com todos aqueles que são afetados, dentro e provenientes de qualquer país”, destaca a OMS, alertando contra o estigma em relação a quem tem ou teve o vírus.

Também é recomendável procurar atualizações de informações apenas de fontes confiáveis ​​e em horários definidos uma ou duas vezes por dia.

Também é recomendável procurar atualizações de informações apenas de fontes confiáveis ​​e em horários definidos uma ou duas vezes por dia. Foto: pixabay/pasja1000

Também é recomendável procurar atualizações de informações apenas de fontes confiáveis ​​e em horários definidos uma ou duas vezes por dia. Foto: pixabay/pasja1000

Desde janeiro, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) determinou o surto da nova doença do coronavírus, COVID-19, como uma “emergência de saúde pública de interesse internacional”, os níveis de estresse em todos os lugares continuaram aumentando.

Enquanto a OMS e as autoridades de saúde de todo o planeta agem para conter a pandemia, recomendações sobre a proteção da saúde mental foram desenvolvidas pelo Departamento de Saúde Mental e Uso de Substâncias da agência de saúde da ONU.

A orientação de 31 pontos da OMS visa especificamente a população em geral; profissionais de saúde; gerentes de unidades de saúde; prestadores de cuidados infantis; idosos, prestadores de cuidados e pessoas com condições de saúde pré-existentes; e aqueles que estão isolados para tentar conter a propagação da pandemia.

“Seja empático com todos aqueles que são afetados, dentro e provenientes de qualquer país”, destaca a OMS, alertando contra o estigma em relação a quem tem ou teve o vírus.

Também é recomendável procurar atualizações de informações apenas de fontes confiáveis ​​e em horários definidos uma ou duas vezes por dia.

“O repentino e quase constante fluxo de notícias sobre um surto pode deixar qualquer pessoa preocupada”, disse a OMS. “Trabalhe com fatos; não com rumores e desinformação”.

O site e as plataformas das autoridades locais de saúde podem ajudar a separar fatos e especulações.

A agência de saúde da ONU também aponta os benefícios de ajudar outras pessoas, como telefonar para vizinhos ou membros da comunidade que possam precisar de assistência extra.

“Trabalhar juntos como uma comunidade pode ajudar a criar solidariedade na abordagem à COVID-19.”

Aqueles que ajudam os outros

A agência de saúde da ONU pediu a todos que “honrassem cuidadores e profissionais de saúde… [pelo] papel que desempenham para salvar vidas e manter entes queridos em segurança”, assegurando aos profissionais de saúde que é normal sentir-se “sob pressão” e enfatizando que o estresse é “de modo algum um sinal de que você não pode fazer seu trabalho ou que é fraco”.

A OMS instou-os a descansar o suficiente, comer alimentos saudáveis, praticar atividade física e manter contato com familiares e amigos.

“Este é um cenário único e sem precedentes para muitos trabalhadores, principalmente se eles não se envolveram em respostas semelhantes”, disse a OMS, lembrando que “este não é um ‘sprint’, é uma maratona”.

A OMS recomenda que a proteção dos funcionários contra o estresse crônico e a saúde mental ruim lhes proporcione as capacidades necessárias para o desempenho de suas funções.

Concentrando-se nas respostas de longo prazo, e não nas crises de curto prazo, os líderes de equipe ou os gerentes das unidades de saúde são incentivados a fornecer comunicação de qualidade e atualizações precisas de informações para todos os funcionários.

A OMS destacou os benefícios do rodízio de trabalhadores das funções de maior e menor estresse e na parceria de trabalhadores inexperientes com os que têm mais experiência, para proporcionar segurança.

Lembrando que a rede de colegas de trabalho ajuda a “fornecer apoio, monitorar o estresse e reforçar os procedimentos de segurança”, a OMS recomendou que funcionários trabalhassem em pares e “iniciassem, incentivassem e monitorassem os intervalos do trabalho”.

Para aqueles que têm crianças

“As crianças se sentem aliviadas se puderem expressar e comunicar seus sentimentos em um ambiente seguro e favorável”, sustentou a agência de saúde da ONU, incentivando que, se estiverem seguras, elas sejam mantidas próximas aos pais e à família.

Caso contrário, deve-se manter contato regular com os pais, como telefonemas ou videochamadas agendadas duas vezes ao dia.

Cuidando dos mais vulneráveis

Como os idosos e as pessoas com condições de saúde pré-existentes e vulneráveis ​​podem se tornar mais ansiosas, agitadas e retraídas durante o surto, a OMS enfatizou a importância de transmitir instruções claras de maneira concisa, respeitosa e paciente, observando que as fotos também podem ser utilizadas.

“Engaje a família e outras redes de apoio” para fornecer informações e ajudá-los a praticar medidas de prevenção, incluindo lavagem das mãos, disse a agência de saúde da ONU. E, quando isolado, mantenha-se conectado e mantenha as rotinas diárias o máximo possível.

“Mantenha as coisas em perspectiva … e evite ouvir ou seguir rumores”, concluiu a OMS.

Grávidas e mães amamentando

Enquanto isso, o Fundo de População da ONU (UNFPA) recomendou que as mulheres que amamentam e adoecem não devem ser separadas de seus recém-nascidos.

Embora não haja evidências de que a doença possa ser transmitida através do leite materno, o UNFPA instou as mães infectadas a usar uma máscara quando estiverem perto do bebê, lavar as mãos antes e depois da alimentação e desinfetar as superfícies contaminadas.

“Se uma mãe está doente demais para amamentar, ela deve ser incentivada a extrair leite para ser dado ao bebê, tomando todas as precauções necessárias”, afirmou a agência de saúde da ONU. “Saúde mental e apoio psicossocial devem ser disponibilizados para os indivíduos afetados e suas famílias”.