COVID-19: Interrupções em serviços de HIV podem causar 500 mil mortes adicionais por AIDS

Foto: UNAIDS

Um grupo de modelagem convocado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) estimou que, se não forem feitos esforços para mitigar e superar as interrupções nos serviços e na distribuição de insumos de saúde causados pela pandemia da COVID-19, uma interrupção de seis meses da terapia antirretroviral poderia levar a um número superior a 500 mil mortes a mais por doenças relacionadas à AIDS, incluindo a tuberculose.

As estimativas se referem ao cenário na África Subsaariana, para o período entre 2020-2021. Em 2018, estima-se que 470 mil pessoas morreram de causas relacionadas à AIDS na região.

Existem muitas razões diferentes que podem causar a interrupção dos serviços – esse exercício de modelagem deixa claro que as comunidades e os parceiros precisam agir agora, pois o impacto de uma interrupção de seis meses na terapia antirretroviral pode efetivamente nos colocar de volta ao nível de mortes relacionadas à AIDS visto em 2008, quando mais de 950 mil pessoas morreram na região por estes motivos.

A estimativa é de que, devido à interrupção destes serviços HIV, as pessoas continuariam morrendo em grandes números por pelo menos mais cinco anos, com um excesso médio anual de 40% de mortes nesta próxima meia década. Além disso, as interrupções nestes serviços também podem ter impacto na incidência de HIV no próximo ano.

Para o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, é uma perspectiva terrível ter meio milhão a mais de pessoas morrendo de doenças relacionadas à AIDS. “É como retroceder no tempo. Devemos ler isso como um alerta aos países para identificar maneiras de sustentar todos os serviços vitais de saúde. Para o HIV, alguns países já estão tomando medidas importantes como, por exemplo, a garantia de que as pessoas possam retirar quantidades maiores de medicamentos para seu tratamento e outros insumos essenciais, incluindo kits de autoteste, em pontos de entrega, o que alivia a pressão sobre os serviços e equipes de saúde. Também devemos garantir que os suprimentos globais de testagem e tratamento continuem a fluir para os países que precisam deles”, acrescentou o diretor da OMS.

Na África Subsaariana, estima-se que 25,7 milhões de pessoas viviam com HIV e 16,4 milhões (64%) estavam em terapia antirretroviral em 2018. Agora, essas pessoas correm o risco de interromper o tratamento porque os serviços de HIV estão fechados ou encontram-se impossibilitados de fornecer terapia antirretroviral devido a interrupções na cadeia de suprimentos ou porque os serviços simplesmente ficam sobrecarregados em função das necessidades concorrentes para apoiar a resposta à COVID-19.

Segundo a diretora-executiva do UNAIDS, Winnie Byanyima, a pandemia da COVID-19 não deve ser uma desculpa para desviar o investimento do HIV. “Existe o risco de que os ganhos suados da resposta à AIDS sejam sacrificados na luta contra a COVID-19, mas o direito à saúde significa que nenhuma doença deve ser combatida às custas de outra doença”, informou a diretora-executiva do UNAIDS.

Quando o tratamento é seguido adequadamente, a carga viral de HIV de uma pessoa cai para um nível indetectável, mantendo a pessoa saudável e impedindo a transmissão progressiva do vírus. Quando uma pessoa é incapaz de tomar terapia antirretroviral regularmente, a carga viral aumenta, afetando a saúde da pessoa, o que pode levà-la à morte. Mesmo interrupções relativamente curtas no tratamento podem ter um impacto negativo significativo na saúde de uma pessoa e aumentar o potencial de transmissão do HIV.

Esta pesquisa reuniu cinco equipes que usam diferentes modelos matemáticos para analisar os efeitos de várias possíveis interrupções nos serviços de testagem, prevenção e tratamento do HIV causados pela COVID-19.

Cada modelo analisou o impacto potencial de interrupções do tratamento de três ou seis meses na mortalidade por AIDS e na incidência de HIV na África Subsaariana. No cenário de interrupção de seis meses, as estimativas de excesso de mortes relacionadas à AIDS em um ano variaram de 471 mil a 673 mil, tornando inevitável que o mundo descumpra a meta global de 2020 de alcançar menos de 500 mil mortes relacionadas à AIDS em todo o mundo.

Interrupções mais curtas de três meses teriam um impacto reduzido, mas ainda significativo, sobre as mortes por AIDS. Interrupções mais esporádicas do suprimento de terapia antirretroviral levariam à adesão esporádica ao tratamento e à consequente à disseminação da resistência aos medicamentos para o HIV, com consequências de longo prazo para o sucesso futuro do tratamento na região.

Serviços interrompidos também podem reverter os ganhos obtidos na prevenção da transmissão do HIV de mãe para filho. Desde 2010, as novas infecções por HIV entre crianças na África Subsaariana diminuíram 43%, de 250 mil em 2010 para 140 mil em 2018, devido à alta cobertura dos serviços de HIV para mães e filhos na região.

A redução desses serviços por seis meses, em função da COVID-19, pode fazer com que novas infecções por HIV em crianças aumentem drasticamente, em até 37% em Moçambique, 78% no Malawi, 78% no Zimbábue e 104% em Uganda.

Outros efeitos significativos da pandemia da COVID-19 na resposta à AIDS na África Subsaariana que podem levar a uma mortalidade adicional incluem a redução no atendimento clínico de qualidade devido à sobrecarga dos estabelecimentos de saúde e suspensão de testes de carga viral, redução no aconselhamento para adesão e troca de regime de medicamentos.

Cada modelo também considerou até que ponto uma interrupção nos serviços de prevenção, incluindo suspensão da circuncisão ciúrgica voluntária, interrupção da disponibilidade de preservativos e suspensão do teste de HIV, afetaria a incidência do vírus na região.

A pesquisa destaca a necessidade de esforços urgentes para garantir a continuidade dos serviços de prevenção e tratamento do HIV, a fim de evitar excesso de mortes relacionadas à AIDS e prevenir aumentos na incidência do HIV durante a pandemia da COVID-19. Será importante que os países priorizem o apoio às cadeias de suprimentos e garantam que as pessoas que já estão em tratamento possam continuar em tratamento, inclusive adotando ou reforçando políticas como a dispensação de terapia antirretroviral por vários meses, a fim de reduzir a necessidade de acesso a serviços de saúde para manutenção de rotina, reduzindo a carga sobre os sistemas de saúde já sobrecarregados com a pandemia.

“Toda morte é uma tragédia. Não podemos sentar e permitir que centenas de milhares de pessoas, muitas delas jovens, morram desnecessariamente. Peço aos governos que garantam que todas as pessoas que vivem com HIV recebam suprimentos regulares de terapia antirretroviral – algo que é capaz de literalmente salvar vidas”, concluiu a diretora-executiva do UNAIDS.

Fontes:
Jewell B, Mudimu E, Stover J, et al for the HIV Modelling consortium, Potential effects of disruption to HIV programmes in sub-Saharan Africa caused by COVID-19: results from multiple models. Pre-print, https://doi.org/10.6084/m9.figshare.12279914.v1, https://doi.org/10.6084/m9.figshare.12279932.v1

Alexandra B. Hogan, Britta Jewell, Ellie Sherrard-Smith et al. The potential impact of the COVID-19 epidemic on HIV, TB and malaria in low- and middle-income countries. Imperial College London (01-05-2020).