Consumo per capita de peixes cresce no Brasil, diz FAO

No entanto média ainda está abaixo da recomendação da Organização Mundial de Saúde. Encontro no Chile reuniu ministros da pesca e aquicultura de 10 países.

Consumo per capita médio de peixe na América Latina e Caribe é de 9kg/ano. Foto: MPA/FAO/Uesley Marcelino

Consumo per capita médio de peixe na América Latina e Caribe é de 9kg/ano. Foto: MPA/FAO/Uesley Marcelino

Em coletiva de imprensa na sexta-feira (30) em Santiago, Chile, o representante local da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), Alejandro Flores, destacou o aumento do consumo de peixe no Brasil e Colômbia.

No território brasileiro, o consumo per capita aumentou de 4 kg/ano para 9 kg/ano nos últimos 8 anos, através de políticas e campanhas para incentivar o consumo. Já na Colômbia o aumento foi de 4 kg/ano para 6,1 kg ano nos últimos seis anos.

Flores afirmou que há espaço significativo para o aumento do comércio inter-regional de peixes na América Latina e Caribe, porque atualmente 40% do peixe consumido nesta região vêm de outras regiões.

De acordo com Flores, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo per capita de 12 kg de peixe por ano por habitante. A média global de consumo per capita é de 18 kg/ano, porém a média para a América Latina e Caribe é de 9kg/ano.

A coletiva foi realizada um dia após o fim da primeira Reunião do Conselho de Ministros da Rede de Aquicultura das Américas (RAA), realizada em Santiago. No dia 29 de agosto, o evento reuniu ministros da pesca e aquicultura de 10 países e analisou medidas para incrementar o consumo e a comercialização de pescado na América Latina e Caribe, como uma forma de fortalecer a segurança alimentar. Nos dias 27 e 28 reuniu outros representantes dos países da RAA.

Atualmente, a RAA tem 13 países membros da América Latina e Caribe, e pretende chegar a 20 até o final de 2014. Com o apoio do Governo do Brasil, por meio do Programa de Cooperação Internacional Brasil-FAO, a rede conta com um fundo para sua consolidação através de um projeto no qual a FAO presta assistência.