Conselho Econômico e Social da ONU pede ação urgente para acelerar resposta à AIDS

O Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ECOSOC) adotou uma resolução que pede aos países que intensifiquem com urgência os programas informados por evidências para acabar com a epidemia de AIDS como uma ameaça à saúde pública até 2030. O órgão afirma que a epidemia ainda não acabou e apela para esforços revigorados por parte de todas as partes interessadas.

Embora acolha os avanços alcançados em relação às metas de 2020, a resolução expressa preocupação com as disparidades no progresso entre os países e apela para esforços mais intensos para proteger os direitos humanos e promover a igualdade de gênero.

A resolução do ECOSOC acolhe igualmente os esforços do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) no sentido de aperfeiçoar e adaptar seu modelo de funcionamento para apoiar de maneira mais eficaz os esforços para acabar com a epidemia no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Reunião do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ECOSOC) na sede da ONU, em Nova Iorque. Foto: UNAIDS

O Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ECOSOC) adotou uma resolução que pede aos países que intensifiquem com urgência os programas informados por evidências para acabar com a epidemia de AIDS como uma ameaça à saúde pública até 2030. O órgão afirma que a epidemia ainda não acabou e apela para esforços revigorados por parte de todas as partes interessadas.

Adotada em 24 de julho, durante a reunião de coordenação e gestão do ECOSOC em Nova Iorque, Estados Unidos, a resolução convida a Assembleia Geral das Nações Unidas a decidir até setembro do próximo ano, data de uma reunião de alto nível, a analisar os progressos alcançados no compromisso da ONU para acabar com a AIDS como uma ameaça à saúde pública até 2030.

Embora acolha os avanços alcançados em relação às metas de 2020, a resolução expressa preocupação com as disparidades no progresso entre os países e apela para esforços mais intensos para proteger os direitos humanos e promover a igualdade de gênero.

A resolução do ECOSOC acolhe igualmente os esforços do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) no sentido de aperfeiçoar e adaptar seu modelo de funcionamento para apoiar de maneira mais eficaz os esforços para acabar com a epidemia no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

“O ECOSOC criou o UNAIDS, há 25 anos, como uma iniciativa conjunta e inovadora que reúne as vantagens comparativas de várias organizações das Nações Unidas para enfrentar a epidemia da AIDS”, disse Gunilla Carlsson, diretora-executiva interina do UNAIDS.

“Nossa abordagem multissetorial, com várias partes interessadas e centrada nas pessoas, ajuda os países a traduzir compromissos globais em ações de nível nacional que levam a resultados reais para as pessoas no local, inclusive aquelas que ficam para trás.”

Reconhecendo a necessidade urgente de fechar a lacuna de recursos para o HIV, a resolução incentiva os países a aumentarem o financiamento nacional e internacional para a resposta à AIDS.

A resolução reconhece que os esforços para alcançar o acesso universal à saúde devem ser informados pelas lições aprendidas com a resposta à AIDS. São bem-vindos os esforços para integrar e coordenar o programa de HIV e outros programas e setores da saúde, incluindo a tuberculose e o HIV, assegurando o acesso universal a serviços integrados de prevenção, diagnóstico, tratamento e cuidados.

A medida também reconhece o papel central do UNAIDS no contexto de esforços mais amplos para alcançar os ODS e a importância de aprender com as lições da resposta ao HIV, incluindo o foco na equidade e nos direitos humanos, nas inovações no financiamento da saúde e na governança inclusiva. Elogia igualmente o papel crucial que a sociedade civil desempenha na resposta global ao HIV.

China e Estados Unidos co-facilitaram as negociações dos Estados-membros sobre a resolução em Genebra, Suíça, e apresentaram a resolução ao ECOSOC em 24 de julho em Nova Iorque.


Comente

comentários