Conselho de Segurança e funcionários da ONU condenam teste nuclear da Coreia do Norte

Órgão de 15 membros da ONU disse que teste é uma “grave violação” das resoluções sobre o tema.

Presidente do Conselho de Segurança, o chanceler Kim Sung-hwan da Coreia do Sul, lê declaração à imprensa. Foto: ONU/Mark Garten.

O Conselho de Segurança e altos funcionários das Nações Unidas condenaram fortemente o teste nuclear realizado pela Coreia do Norte, alertando que o acontecimento constitui uma ameaça à paz e segurança internacionais.

Após uma sessão de emergência a portas fechadas, o Conselho disse que o teste é uma “grave violação” das resoluções relacionadas adotadas pelo órgão de 15 membros.

“Em linha com o compromisso e com a gravidade da violação, os membros do Conselho de Segurança começará a trabalhar imediatamente sobre as medidas adequadas em uma resolução do Conselho de Segurança”, disse Kim Sung-hwan, Ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul, que detém a rotação Presidência do Conselho em fevereiro, em uma declaração lida à imprensa.

O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, em um comunicado divulgado por seu porta-voz na terça-feira (12) à noite, chamou a ação de Pyongyang de “deplorável”, expressando preocupação com seu impacto sobre a estabilidade regional.

Ban Ki-moon reiterou sua crítica pouco antes de um encontro no Conselho. “Condeno veementemente este ato imprudente de Pyongyang, o que mostra total desrespeito a repetidos chamados da comunidade internacional para que se abstenha de novas medidas provocativas. O teste é uma violação clara e grave das resoluções pertinentes do Conselho de Segurança.”

Segundo a imprensa, citando a agência de notícias oficial, o Governo da Coreia do Norte realizou seu terceiro teste nuclear na terça-feira (12).

Um teste seria uma violação das sanções impostas pelo Conselho de Segurança ao país asiático, após os testes nucleares em 2006 e 2009, incluindo a proibição da importação de tecnologia nuclear e de mísseis. As sanções foram reforçadas no mês passado, em uma decisão unânime do Conselho, após a Coreia do Norte ter supostamente lançado um foguete de longo alcance Unha-3 a partir de sua costa oeste, em dezembro de 2012.