Conselho de Segurança da ONU pede que União Africana aumente em 50% número de oficiais na Somália

O Conselho de Segurança das Nações Unidas pediu na quarta-feira (22/02) que a União Africana aumente em cerca de 50% a presença de policiais e tropas na Missão da União Africana na Somália (AMISOM). Segundo o Conselho, a situação do país é de “insegurança permanente” e um maior contingente é fundamental para a paz, a segurança e a estabilidade da Somália.

A resolução que pede o aumento das tropas de 12 mil para 17,3 mil até 31 de outubro desse ano foi aprovada por unanimidade pelos 15 países do Conselho de Segurança. Além disso, a resolução adotada prevê que a ONU expanda o suporte logístico para as forças da União Africana.

“A expansão da AMISOM é fundamental para dar suporte ao Governo Federal de Transição somali e estender sua autoridade sobre uma ampla área do sul e central da Somália, bem como para degradar significativamente a capacidade militar dos insurgentes no país”, afirmou o Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

Uma das questões mais preocupantes é o nível de violência e domínio geográfico que a pirataria na Somália atingiu. De acordo com o Diretor Executivo do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC), Yury Fedotov, há fortes evidências de que o grupo rebelde Al-Shabaab esteja ligado à rede de piratas. “O dinheiro (da pirataria) aumentou o preço dos alimentos e também está sendo usado para drogas, armas, contrabando de álcool e tráfico de seres humanos”, afirmou Fedotov.

Segundo estimativas do UNODC, a pirataria na Somália gerou um lucro de 170 milhões de dólares em 2011. Um aumento de cerca de 55% em relação a 2010.