Conselho de Segurança da ONU pede à África que aumente para 12 mil o efetivo de missão de paz na Somália

Resolução renova o mandato da missão até outubro de 2012. Pede-se às autoridades de transição maior transparência e combate à corrupção.


O Conselho de Segurança das Nações Unidas pediu na sexta-feira (30/9) que a União Africana, em caráter de urgência, amplie em 50% o efetivo da missão de paz na Somália, totalizando 12 mil homens entre militares e policiais. O reforço habilitará a missão a cuidar de forma mais adequada das funções estabelecidas por um mandato da ONU para estabilizar o país tomado pela guerra.

A resolução autoriza a permanência dos trabalhadores de paz na Somália até 31 de outubro de 2012 e solicita a organizações internacionais que forneçam mais equipamentos, ajuda técnica e fundos. Depois que os militantes da Al-Shabaab deixaram a capital, Mogadíscio, em agosto, representantes da ONU consideraram que esta é uma grande oportunidade para fortalecer as autoridades de transição, que se preparam para estabelecer um governo democrático permanente a partir de agosto de 2012.

O Conselho de Segurança pediu às autoridades de transição que ampliem a transparência e o combate à corrupção para elevar sua legitimidade e credibilidade. Também expressou preocupação com “a situação humanitária calamitosa” por causa da seca e da epidemia de fome, que já matou dezenas de milhares de pessoas e ameaça a vida de mais 750 mil.

A violência sexual relacionada ao conflito armado também é motivo de séria preocupação para o Conselho de Segurança, que pediu a todas as partes que cessem os abusos.