Conselho de Segurança da ONU exige restauração da ordem constitucional na Guiné-Bissau

Levantando a possibilidade de sanções, o Conselho de Segurança das Nações Unidas (CS) exigiu neste sábado (21/04) a imediata restauração da ordem constitucional de Guiné-Bissau, assim como o restabelecimento do governo legítimo do país. Soldados na Guiné-Bissau, nação com história de golpes e instabilidade desde a independência em 1974, tomaram o poder este mês. O golpe veio antes da corrida presidencial marcada para o dia 22 de abril, entre o Primeiro-Ministro Carlos Gomes Júnior e o ex-Presidente Kumba Yala.

“O Conselho de Segurança exige a incondicional e imediata libertação do Presidente Interino, Raimundo Pereira; do Primeiro-Ministro, Carlos Gomes Junior, e de todos os funcionários detidos a fim de permitir a realização das eleições legislativas e presidenciais”, afirmaram os 15 Membros em comunicado.

O CS também reiterou a condenação do golpe e expressou preocupação profunda com relatos de repressão violenta de protestos pacíficos, saques, restrição de movimento e prisões arbitrárias de civis, pedindo libertação imediata. Saudou, ainda, o engajamento da União Africana, da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa; e encorajou uma coordenação conjunta de seus esforços para restaurar a ordem constitucional.