Conselho de Segurança convoca países a erradicar redutos do ‘Estado Islâmico’ na Síria e no Iraque

O órgão da ONU reconheceu que o grupo terrorista tem a capacidade e a intenção de realizar novos atentados, como os de Paris e Beirute; ISIL é considerado ameaça sem precedentes à segurança global.

Militares norte-americanos e iraquianos realizam treinamento conjunto em Ramadi, no Iraque, em 2009. Hoje, esta cidade está controlada por forças do Estado Islâmico. Foto: WikiCommons / The U.S. Army

Militares norte-americanos e iraquianos realizam treinamento conjunto em Ramadi, no Iraque, em 2009. Hoje, esta cidade está controlada por forças do Estado Islâmico. Foto: WikiCommons / The U.S. Army

O Conselho de Segurança das Nações Unidas convocou, nesta sexta-feira (20), todos os países, dentro de seu alcance, a combaterem o terrorismo nos territórios controlados pelo grupo Estado Islâmico, na Síria e no Iraque. Em resolução unânime aprovada pelos 15 membros do órgão, o Conselho reconheceu que os terroristas têm a intenção e a capacidade para realizar novos ataques, como os que devastaram Paris e Beirute na semana retrasada.

“Por sua ideologia extremista violenta, seus atos terroristas, seus ataques continuados, sistemáticos e pesados direcionados contra civis, abusos dos direitos humanos e violações da lei humanitária internacional, incluindo aqueles movidos por razões religiosas ou étnicas, sua erradicação da herança cultural e tráfico de propriedade cultura, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL) constitui uma ameaça global sem precedentes à paz e à segurança internacionais”, afirmou o Conselho de Segurança.

O órgão descreveu como “horrendos” os atentados nas capitais francesas e libanesa, bem como os ataques em Sousse, na Tunísia, Ancara, na Turquia e no Egito, que provocaram a queda de um avião russo. O Conselho apelou a todos os Estados-membros para que tomem as medidas necessárias, de acordo com a o direito internacional, e erradiquem os portos seguros que o ISIL, junto com o grupo terrorista Frente Al-Nurah, estabeleceu em partes significativas da Síria e do Iraque.

Para o organismo das Nações Unidas, os Estados-membros devem intensificar esforços para conter o fluxo de terroristas estrangeiros que partem rumo aos dois países, onde são recrutados e treinados pelos grupos. Esses combatentes forasteiros colocam em risco todas as regiões e nações, mesmo aquelas distantes de zonas de conflito. Países também precisam prevenir e suprimir o financiamento das organizações terroristas, de acordo com o Conselho, que também alertou para o controle de recursos naturais por parte dessas agrupações.