Conselho de Segurança condena massacres de civis na RD Congo, que já causaram mais de 200 mortes

Grupos insurgentes também atacaram a Força de Paz da ONU no país. Os 15 membros do Conselho pediram a responsabilização dos autores das ofensivas.

Um membro da MONUSCO monta guarda na região de Beni na República Democrática do Congo. Foto: MONUSCO/Sylvain Liechti

Um membro da MONUSCO monta guarda na região de Beni na República Democrática do Congo. Foto: MONUSCO/Sylvain Liechti

O Conselho de Segurança da ONU condenou firmemente, nesta terça-feira (25), o massacre de civis ocorrido no último dia 20 perto da cidade de Beni, na região do Kivu Norte, na República Democrática do Congo (RDC).

Desde meados de outubro, os ataques já provocaram mais de 200 mortes na região, informou o Conselho de Segurança. Os 15 membros do órgão da ONU expressaram suas condolências aos familiares das vítimas e condenaram os ataques aos membros da Missão da ONU no país, conhecida como MONUSCO.

Eles enfatizaram que qualquer esforço para minar a habilidade da MONUSCO de implementar seu mandato “não será tolerado e aqueles responsáveis pelas ameaças e ataques contra os membros da força de paz devem ser responsabilizados”.

Para reduzir a violência contra a população, o Conselho instou o governo da RDC a trabalhar junto com a MONUSCO para redobrar imediatamente os esforços na proteção de civis e neutralizar os grupos que ainda operam no leste do país. Os 15 membros também pediram a neutralização das Forças Democráticas de Liberação da Ruanda, em linha com as resoluções do Conselho e a declaração presidencial de 5 de novembro.