Conselho de Segurança aprova sanções contra a Líbia

Resolução 1970, adotada por unanimidade em reunião de emergência, neste sábado, inclui proibição de viagem, embargo de armas e congelamento de ativos do líder líbio Muammar Kadafi.

Maria Luiza Ribeiro ViottiMônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

Os países-membros do Conselho de Segurança decidiram impor sanções ao governo da Líbia. A Resolução 1970 inclui congelamento de ativos, proibição de viagens e embargo de armas. O Conselho decidiu ainda levar o tema ao promotor do Tribunal Penal Internacional, com sede em Haia.

Após uma reunião de emergência, que começou às 11 horas da manhã deste sábado, o órgão adotou o documento, por unanimidade, às 8 da noite, horário de Nova York.

Resposta violenta

O governo do líder líbio, Muammar Kadafi, está sendo responsabilizado pela resposta violenta aos protestos de rua que pedem a saída dele do cargo. Kadafi está no poder há mais de 40 anos.

De acordo com a ONU, mil pessoas podem ter morrido nos 10 primeiros dias das manifestações.

O encontro foi presidido pela embaixadora do Brasil, Maria Luiza Ribeiro Viotti. O Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, sentou-se ao lado da embaixadora na reunião. Falando em inglês, ela explicou a posição do Brasil.

Maria Luiza Ribeiro Viotti disse que o governo brasileiro condenou, firmemente, o uso da violência contra os manifestantes. Ela afirmou que o Brasil também pediu ao governo líbio que protegesse os civis e garantisse a eles a liberdade de expressão. A embaixadora classificou a violência na Líbia como um “banho de sangue” e “totalmente inaceitável”.

De acordo com agências de notícias, opositores de Kadafi estariam controlando várias cidades, incluindo Benghazi, a segunda maior da Líbia, que fica no leste do país.

Vários trabalhadores estrangeiros que estavam tentando fugir da violência conseguiram sair da Líbia neste sábado, incluindo um grupo de brasileiros.

Ouça aqui a reportagem.