Conselho de Segurança aprova decisão para combater financiamento do Estado Islâmico e outros grupos

Nova resolução proíbe até mesmo o pagamento de resgates para terroristas em casos de sequestro. Conselho alertou também para desvio de material bélico e uso de organizações de caridade como fachada para arrecadar fundos.

Nova decisão do Conselho de Segurança estende o mandato de deliberações anteriores, enquadrando novas situações como transferências de dinheiro a serem combatidas. Foto: ONU / Evan Schneider

Nova decisão do Conselho de Segurança estende o mandato de deliberações anteriores, enquadrando novas situações como transferências de dinheiro a serem combatidas. Foto: ONU / Evan Schneider

O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou, nesta quinta-feira (17), uma nova resolução que pretende aprimorar os esforços da comunidade internacional para combater o financiamento de grupos terroristas, como o Estado Islâmico (ISIL), na Síria e no Iraque. O organismo da ONU destacou que resoluções anteriores, capazes de evitar a transferência de recursos para extremistas, devem ser aplicadas também aos casos de pagamento de resgates para o salvamento de reféns, não importando como e por quem o montante for pago.

“Os terroristas são ágeis e já foram bem-sucedidos demais em adquirir recursos para seus atos hediondos”, afirmou o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon. “Hoje, o Da’esh (outro nome para ISIL) comanda uma economia multimilionária de dólares em territórios sob seu controle. Os terroristas conseguem dinheiro através do comércio de petróleo, extorsão, envio de dinheiro por correspondência, sequestros, tráfico de pessoas e armas”.

De acordo com o Conselho, o setor privado e os Estados-membros devem colaborar uns com os outros, a fim de facilitar a identificação de transações suspeitas. Além de fechar brechas nos sistemas financeiros, também é necessário impedir que instituições de caridade sejam usadas por organizações extremistas para arrecadar fundos. A nova resolução deverá ampliar e atualizar a Lista de Sanções do ISIL e da Al-Qaeda, que contém indivíduos e entidades identificados como terroristas.

O organismo da ONU também solicitou aos países que reforcem a vigilância para coibir o desvio de explosivos, matérias-primas e componentes, utilizados para a fabricação de armamentos improvisados, armas químicas, venenos e detonadores.

Ban Ki-moon chamou a atenção para o uso de ferramentas digitais por parte do ISIL e outros grupos. “Mídias sociais são exploradas pelo Da’esh não apenas para a radicalização e o recrutamento, mas também para a arrecadação de verba. Outras organizações em torno do mundo – desde o Boko Haram até o Al-Shabaab e o Talibã – estão seguindo o mesmo caminho”, explicou o secretário-geral. O chefe da ONU também alertou para o tráfico de bens culturais, outra fonte de renda para terroristas e extremistas.