Confrontos no Camboja deixam dezenas de feridos e presos, alerta ONU

“Estamos particularmente alarmados com as prisões dos líderes do Partido de Resgate Nacional do Camboja após a onda de violência”, disse a porta-voz do ACNUDH.

Porta-voz da ACNUDH, Ravina Shamdasani. Foto: ONU

Os confrontos que eclodiram na capital cambojana entre forças de segurança e partidários da oposição, durante os quais dezenas de pessoas ficaram feridas, devem ser investigados, afirmou o Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos (ACNUDH), nesta sexta-feira (18).

“Estamos particularmente alarmados com as prisões dos líderes do Partido de Resgate Nacional do Camboja após a onda de violência”, disse a porta-voz do ACNUDH, Ravina Shamdasani, em Genebra (Suíça). As prisões aconteceram após os membros do principal partido de oposição se reunirem no Parque da Liberdade, em Phnom Penh, em 15 de julho, para protestar contra o fechamento da única área designada para as manifestações públicas na capital.

“Estamos preocupados com as acusações que foram feitas contra eles, incluindo ‘insurreição’. Quaisquer acusações politicamente motivadas devem ser descartadas imediatamente”, acrescentou Shamdasani.

O ACNUDH pediu as autoridades que cumpram rigorosamente com as normas de direitos humanos: “Instamos as autoridades cambojanas a lançar uma investigação rápida, eficaz, imparcial e transparente para garantir que os responsáveis ​​por estes incidentes violentos sejam responsabilizados”, disse a porta-voz.