Conflitos na República Centro-Africana abalam a segurança alimentar no país, diz ONU

As disputas violentas na RCA já causaram retração de 46% do setor agrícola em 2013, deslocamentos massivos dentro e fora do país e redução de 40 a 50% nas reservas de alimento nacionais.

Agricultores na República Central Africana (RCA). Foto: FAO/A. Masciarelli.

Agricultores na República Centro-Africana (RCA). Foto: FAO/A. Masciarelli.

A contínua crise causada pelos conflitos na República Centro-Africana tem impactado negativamente a produção agrícola e abalado a segurança alimentar local, de acordo com novo relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e do Programa Mundial de Alimentos (PMA). 

O documento responsabiliza os saques e a insegurança generalizados pelos resultados adversos na colheita, na pecuária e na pesca nacionais. Tais acontecimentos já causaram retração de 46% do setor agrícola em 2013, juntamente com a crise que suscitou deslocamentos massivos e levou centenas de milhares de pessoas a fugir para além das fronteiras do país. 

As reservas de alimentos em áreas rurais encontram-se agora entre 40 e 50% abaixo dos níveis médios – resultado das recorrentes ações violentas no país. Isso está forçando as famílias que perderam a maior parte de seus bens de produção e de renda a encontrar outras maneiras de garantir sua alimentação.

A pesquisa também destaca que a insegurança alimentar já atingia entre um quarto e um terço da população da República Centro-Africana antes da crise. Em Bangui, a capital do país, a inflação subiu para de 3,5 para 12% entre janeiro e agosto deste ano, enquanto os preços dos alimentos básicos subiram entre 30 e 70 % entre março e agosto. Estes fatores vêm contribuindo para preocupantes níveis de redução do poder de compra das famílias locais.