Conflito na Síria já durou mais que Segunda Guerra Mundial, lembra enviado humanitário da ONU

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Embora tenha havido um período de redução dos conflitos em muitas áreas da Síria – reduzindo o sofrimento humano até certo ponto –, as batalhas agora parecem estar retornando em alguns dos “dias mais sombrios” do conflito. O alerta foi feito por um representante das Nações Unidas nessa semana.

A situação é particularmente preocupante no leste de Ghouta, perto da capital Damasco, onde cerca de 400 mil homens, mulheres e crianças vivem em cidades e aldeias sitiadas. Preços extremamente altos colocaram alimentos e suprimentos básicos fora do alcance da maioria da população.

Uma criança carrega uma bolsa com lenha que ela comprou para sua família em Ghouta, cidade sitiada na Síria. Foto: UNICEF / Al Shami

Uma criança carrega uma bolsa com lenha que ela comprou para sua família em Ghouta, cidade sitiada na Síria. Foto: UNICEF / Al Shami

Embora tenha havido um período de redução dos conflitos em muitas áreas da Síria – reduzindo o sofrimento humano até certo ponto –, as batalhas agora parecem estar retornando em alguns dos “dias mais sombrios” do conflito. O alerta foi feito por um representante das Nações Unidas na quinta-feira (9).

A situação é particularmente preocupante no leste de Ghouta, perto da capital Damasco, onde cerca de 400 mil homens, mulheres e crianças vivem em cidades e aldeias sitiadas. Preços extremamente altos colocaram alimentos e suprimentos básicos fora do alcance da maioria da população. Há temores de que as condições possam ficar muito pior à medida que o inverno se aproxima, com temperaturas extremas.

“[As pessoas atravessaram] uma guerra de sete anos, mais do que a segunda guerra mundial”, disse Jan Egeland, assessor especial do enviado especial da ONU para a Síria, a jornalistas após uma reunião do Grupo de Trabalho Humanitário em Genebra.

“Com poucas reservas, se elas existiram, sem aquecimento em suas casas e vivendo em ruínas, [para elas] será um inverno horrível”, alertou.

Desde setembro, o leste de Ghouta foi completamente isolado. A única passagem possível é por meio dos comboios humanitários que, quando conseguem chegar à região, levam comida e material médico.

Há também um número crescente de crianças severamente desnutridas, observou Egeland, pedindo às partes em conflito que permitam a evacuação médica com urgência.

Cerca de 400 pacientes – cerca de três quartos mulheres e crianças – precisam ser evacuados.

“Temos confirmação de que sete pacientes morreram porque não foram evacuados e uma lista de 29 casos críticos […], incluindo 18 crianças, entre elas as jovens Hala, Khadiga, Mounir e Bassem […] todas elas têm um nome, todas elas têm uma história, todas elas precisam ser evacuadas agora”, ressaltou.

A evacuação, no entanto, não é a solução definitiva, lembrou. Ele pediu que as batalhas e os bombardeios tenham um fim.

Além disso, o enviado da ONU informou que a situação é igualmente terrível em Berm, no sudeste da Síria, onde cerca de 55 mil civis precisam de assistência; a última vez, no entanto, que a ajuda humanitária conseguiu alcançá-los foi em junho.

Egeland também disse que um mecanismo trilateral, iniciado pela Rússia e com participação da ONU e da Síria, dá uma esperança para ajudar a resolver problemas.

“[O mecanismo] teve suas primeiras reuniões. Ainda não produziu os resultados necessários, mas é nosso forte sentimento de que a Rússia quer que possamos obter o acesso e quer nos ajudar, então esperamos que este mecanismo trilateral produza resultados em breve”, acrescentou.


Comente

comentários