Confederação Nacional das Indústrias se une ao Pacto Global da ONU

Para a diretora executiva da Rede Brasileira do Pacto Global, a indústria exerce um papel fundamental para o cumprimento dos novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Inflação elevada, diminuição do consumo privado nacional e perda do mercado internacional foram alguns fatores para queda de produtividade da indústria no Brasil. Foto: Governo de Sergipe

Foto: Governo de Sergipe

A Confederação Nacional das Indústrias (CNI) é a mais nova signatária do Pacto Global. A carta de adesão foi entregue pelo presidente do Conselho Temático Permanente de Responsabilidade Social (Cores) da entidade, Jorge Parente, durante reunião do grupo na sede da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), em Belo Horizonte (MG), no dia 30 de setembro. Presente no encontro, a diretora executiva da Rede Brasileira do Pacto Global, Renata Seabra, destacou a importância da indústria no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030.

“Embora a implementação da agenda seja um compromisso de Estado, o texto reconhece que, sem a participação do setor empresarial, ela não será possível”, disse. Renata ainda comentou sobre o lançamento do Movimento contra Perda de Água na Distribuição, que deverá acontecer em novembro. “O Brasil tem índices de perdas que vão de 40% a 70%. Estamos desperdiçando água e vamos nos articular para fazer um diagnóstico e diminui-la. É importante que a indústria atue e multiplique sua contribuição. Muitos exemplos de boas práticas não são conhecidos e podem ser replicados”.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) é a representante da indústria brasileira. É o órgão máximo do sistema sindical patronal da indústria e, desde a sua fundação, em 1938, defende os interesses da indústria nacional e atua na articulação com os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, além de diversas entidades e organismos no Brasil e no exterior.