Comunidade internacional libera US$ 118 mi para agência da ONU de refugiados palestinos

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Verba acordada nesta semana, em Nova Iorque, vai ajudar a superar a maior crise financeira da história da Agência da ONU de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA). Em 2018, os Estados Unidos, país que mais contribuía com o orçamento da instituição, decidiram cortar 300 milhões de dólares em financiamento.

O ministro das Relações Exteriores e Expatriados da Jordânia (à esquerda), Ayman Safadi, ao lado do comissário-geral da UNRWA, Pierre Krähenbühl. Foto: ONU/Manuel Elias

O ministro das Relações Exteriores e Expatriados da Jordânia (à esquerda), Ayman Safadi, ao lado do comissário-geral da UNRWA, Pierre Krähenbühl. Foto: ONU/Manuel Elias

Doadores internacionais se comprometeram na quinta-feira (27) a disponibilizar 118 milhões de dólares para a Agência da ONU de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA). Verba vai ajudar a superar o que o chefe do organismo descreveu como “a maior e mais grave crise financeira da história” da entidade. Em 2018, os Estados Unidos, país que mais contribuía com o orçamento da instituição, decidiram cortar 300 milhões de dólares em financiamento.

Em resposta ao rombo nas contas, nações e organizações internacionais anunciaram ao longo dos últimos meses doações de 260 milhões de dólares. O déficit, porém, permanecia considerável — 186 milhões de dólares. O montante acordado nesta semana, em reunião em Nova Iorque durante a 73ª sessão da Assembleia Geral, aliviará a dívida, mas ainda é insuficiente para patrocinar as atividades da UNRWA.

Em coletiva de imprensa após o encontro de doadores, o comissário-geral da agência das Nações Unidas, Pierre Krähenbühl, disse que a mobilização da comunidade internacional sinaliza para os palestinos “que eles não foram esquecidos”.

Criada em 1949 pela Assembleia Geral da ONU, a UNRWA oferece serviços de assistência, educação, saúde, alimentação e proteção para mais de 5 milhões de refugiados palestinos em Gaza, Cisjordânia, Síria, Líbano e Jordânia.

“Estamos enviando a mensagem de que o mundo ainda se importa com o sofrimento dos refugiados palestinos”, afirmou o dirigente, que descreveu o novo valor doado como um “passo muito significativo” para superar a frágil situação financeira da instituição.

Também presente na coletiva, o ministro das Relações Exteriores da Jordânia, Ayman Safadi, disse que o desafio é conseguir um planejamento orçamentário de longo prazo, para que “todos os anos, em agosto, as crianças palestinas não precisarem se perguntar se terão uma escola para ir ou não”.


Comente

comentários