Comunidade internacional deve permanecer ‘um passo à frente’ do ISIL, afirma ONU

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

“A ameaça transnacional e em rápida evolução do ISIL apresenta um difícil desafio para os Estados-membros e a comunidade internacional”, disse Vladimir Voronkov, chefe do Escritório da ONU de Contraterrorismo em uma reunião do Conselho de Segurança, sobre as ameaças à paz e à segurança internacionais causadas por atos terroristas.

“O ISIL não está mais focado em conquistar e manter o território. Foi forçado a se adaptar e se concentrar principalmente em um grupo menor e mais motivado de indivíduos que continuam empenhados em inspirar, habilitar e realizar ataques.”

Vladimir Voronkov, subsecretário-geral do Escritório das Nações Unidas de Contraterrorismo, durante reunião no Conselho de Segurança. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Vladimir Voronkov, subsecretário-geral do Escritório das Nações Unidas de Contraterrorismo, durante reunião no Conselho de Segurança. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Apesar dos sucessos militares contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL/Da’esh), o grupo terrorista e suas afiliadas continuam a representar uma “ameaça significativa” em todo o mundo.

A avaliação é do principal funcionário da ONU na área de contraterrorismo , que participou de uma reunião no Conselho de Segurança na quinta-feira (8). Ele pediu que seja fortalecida a cooperação internacional para enfrentar o extremismo violento e levar aqueles que estão por trás destas ações para a justiça.

“A ameaça transnacional e em rápida evolução do ISIL apresenta um difícil desafio para os Estados-membros e a comunidade internacional”, disse Vladimir Voronkov, chefe do Escritório da ONU de Contraterrorismo em uma reunião do Conselho de Segurança, sobre as ameaças à paz e à segurança internacionais causadas por atos terroristas.

“O ISIL não está mais focado em conquistar e manter o território. Foi forçado a se adaptar e se concentrar principalmente em um grupo menor e mais motivado de indivíduos que continuam empenhados em inspirar, habilitar e realizar ataques”, acrescentou.

Combater a mudança de ameaça implica a “necessidade de ficar um passo à frente do ISIL”, uma vez que o grupo continua a se adaptar e evoluir, enfatizou o funcionário da ONU.

Em particular, Voronkov pediu um forte quadro internacional para combater a ameaça do ISIL po meio da Estratégia Global das Nações Unidas de Contraterrorismo, das resoluções pertinentes da Assembleia Geral e do Conselho de Segurança, bem como a implementação efetiva dos instrumentos jurídicos multilaterais, convenções e protocolos atualmente em voga.

Abordar a ameaça ISIL também exige abordar as condições subjacentes que influenciam homens e mulheres jovens para o extremismo violento, acrescentou.

Ele também exortou a comunidade internacional a enfrentar o “déficit” na cooperação antiterrorista nos níveis global, regional e nacional, pedindo aos países que se envolvam plenamente na primeira Cúpula das Nações Unidas de Chefes de Agências de Contraterrorismo, que será realizada em junho.

O funcionário da ONU informou o Conselho de 15 membros das atividades do ISIL e suas afiliadas em diferentes partes do mundo, incluindo o financiamento de suas atividades ilícitas e a propaganda.

Ele também advertiu que os membros do ISIL e seus simpatizantes continuam a usar amplamente as redes sociais, bem como a tecnologia, como métodos de criptografia e ferramentas de comunicação na chamada ‘deep web’, para comunicar, coordenar e facilitar suas atividades e perpetrar ataques.


Comente

comentários