Como tesouros culturais da ONU ajudaram a construir o cenário de Game of Thrones

De Porto Real ao Banco de Ferro de Braavos, muitos cenários de tirar o fôlego vistos na série Game of Thrones estão disponíveis para o prazer de futuras gerações graças ao essencial, mas pouco conhecido, papel desempenhado pela agência cultural das Nações Unidas.

Criada em 1945, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) trabalha para melhorar diálogos e entendimentos entre civilizações, culturas e povos. Um dos métodos da UNESCO para fazer isto é designar e preservar Patrimônios da Humanidade, definidos por valor universal excepcional à humanidade.

Até hoje, há 1.092 locais naturais e culturais inscritos na lista de Patrimônios. Os tesouros diversos e únicos variam da Grande Barreira de Coral, na Austrália, às Pirâmides do Egito e ao Taj Mahal, na Índia. O Brasil possui 21 sítios do Patrimônio Mundial.

Conheça aqui alguns dos locais onde foram feitas as filmagens de Game of Thrones.

Canhão na cidade antiga de Dubrovnik, na Croácia. Foto: UNESCO/Silvan Rehfeld

Canhão na cidade antiga de Dubrovnik, na Croácia. Foto: UNESCO/Silvan Rehfeld

De Porto Real ao Banco de Ferro de Braavos, muitos cenários de tirar o fôlego vistos na série Game of Thrones estão disponíveis para o prazer de futuras gerações graças ao essencial, mas pouco conhecido, papel desempenhado pela agência cultural das Nações Unidas.

Criada em 1945, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) trabalha para melhorar diálogos e entendimentos entre civilizações, culturas e povos. Um dos métodos da UNESCO para fazer isto é designar e preservar Patrimônios da Humanidade, definidos por valor universal excepcional à humanidade.

Até hoje, há 1.092 locais naturais e culturais inscritos na lista de Patrimônios. Os tesouros diversos e únicos variam da Grande Barreira de Coral, na Austrália, às Pirâmides do Egito e ao Taj Mahal, na Índia.

O Brasil possui 21 sítios do Patrimônio Mundial, entre eles patrimônios culturais – como o Centro Histórico de Olinda e o Plano Piloto de Brasília – e naturais – como a Mata Atlântica e o Parque Nacional de Iguaçu.

Desde 2011, o trabalho da UNESCO se tornou inseparável dos cenários magníficos da popular série de TV.

Para as pessoas que estão acompanhando os episódios da última temporada, aqui está uma pequena retrospectiva dos Sete Reinos a partir da visão da agência cultural da ONU.

Capital dos Sete Reinos

Cidade antiga de Dubrovnik, na Croácia. Foto: UNESCO/Francesco Bandarin

Cidade antiga de Dubrovnik, na Croácia. Foto: UNESCO/Francesco Bandarin

Muito antes de ser conhecida como Porto Real – capital dos Sete Reinos e lar do poderoso Trono de Ferro –, a antiga cidade de Dubrovnik, na Croácia, foi um importante local de poder no Mediterrâneo a partir do século 13.

A cidade foi severamente danificada por um terremoto em 1667 e pelo conflito armado na década de 1990.

A UNESCO coordena, junto com organizações parceiras, um grande programa de restauração da cidade, que entrou na lista de Patrimônios da Humanidade em 1979.

Batalha da Água Negra

Fortaleza de Lovrijenac, na cidade antiga de Dubrovnik. Foto: UNESCO/Silvan Rehfeld

Fortaleza de Lovrijenac, na cidade antiga de Dubrovnik. Foto: UNESCO/Silvan Rehfeld

Você pode se lembrar da feroz Batalha da Água Negra, ou de cenas onde o rei Robert Baratheon comanda o Trono de Ferro na Fortaleza Vermelha, com vista para a Baía da Água Negra.

A Fortaleza de Lovrijenac, do lado de fora do muro ocidental da cidade croata, desempenhou um papel importante na resistência ao domínio veneziano no século 11.

Retiro particular da Casa Martell

Alcáceres Reais de Sevilha, na Espanha. Foto: UNESCO/José Puy

Alcáceres Reais de Sevilha, na Espanha. Foto: UNESCO/José Puy

É fácil entender o motivo de Doran Martell ter chamado os jardins de Dorne de “meu lugar favorito no mundo”.

No coração de Sevilha, os Alcáceres Reais estão repletos de influências mouras que datam da Reconquista de 1248 ao século 16.

A UNESCO destaca que o local é um “testemunho excepcional para a civilização dos almóadas, assim como da Andaluzia cristã”.

Os Alcáceres Reais de Sevilha entraram na lista da UNESCO em 1987.

Jornada de Daenerys em Essos

Medina de Essaouira, no Marrocos. Foto: UNESCO/Leila Maizaz

Medina de Essaouira, no Marrocos. Foto: UNESCO/Leila Maizaz

Quando você olha para a Medina de Essaouira, no Marrocos, você consegue imaginar a Khaleesi enfileirando Os Imaculados na cidade de Astapor, antes de mudar o nome da Baía dos Escravos para Baía dos Dragões.

Mas, para a UNESCO, Essaouira é um exemplo excepcional de uma cidade fortificada do final do século 18 no norte de África.

Desde sua criação, tem sido um importante porto comercial, ligando o Marrocos e o Saara à Europa e o resto do mundo.

A Medina de Essaouira entrou na lista de Patrimônios da Humanidade da UNESCO em 2001.

Yunkai

Ait-Ben-Haddou, no Marrocos. Foto: ONU News/Jing Zhang

Ait-Ben-Haddou, no Marrocos. Foto: ONU News/Jing Zhang

Na cidade amarela, as habilidades linguísticas de Daenerys são úteis com os Yunkai’i, que falam um dialeto do alto valiriano.

Mas, para os berberes, o vilarejo de Ait-Ben-Haddou era uma popular rota de caravanas bem antes de o Marrocos ser estabelecido.

Os prédios de barro, cercados por grandes muros, dão uma visão de um tradicional cenário pré-saariano.

Ait-Ben-Haddou entrou na lista da UNESCO em 1987.

Retorno de Theon a Fidalporto

Calçada do Gigante, na Irlanda do Norte. Foto: UNESCO/Stefano Berti

Calçada do Gigante, na Irlanda do Norte. Foto: UNESCO/Stefano Berti

No Condado de Antrim está a “Calçada do Gigante e sua Costa”, designada pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade em 1986.

O local também é lar do pequeno porto pesqueiro de Ballintoy, conhecido para os fãs como o porto de Pyke, lar das Ilhas de Ferro, dos Greyjoy.

Na vida real, a Calçada do Gigante está na Irlanda do Norte e consiste em 40 mil colunas de rocha vulcânica que saem do mar.

Ao longo dos últimos 300 anos, estudos geográficos contribuíram imensamente para o desenvolvimento da ciência.

A caminhada de Cersei

Escadaria jesuíta na cidade antiga de Dubrovnik, na Croácia. Foto: ONU News/Mita Hosali

Escadaria jesuíta na cidade antiga de Dubrovnik, na Croácia. Foto: ONU News/Mita Hosali

A icônica cena em que Cersei Lannister é forçada a caminhar nua pelas ruas de King’s Landing começou no topo das escadarias que levam à Igreja de Santo Inácio de Loyola e à Faculdade Jesuíta na cidade antiga de Dubrovnik.

Regicida pela igualdade de gênero

Embaixador da Boa Vontade do PNUD, Nikolaj Coster-Walday. Foto: PNUD

Embaixador da Boa Vontade do PNUD, Nikolaj Coster-Walday. Foto: PNUD

A relação entre as Nações Unidas e Game of Thrones não termina com os locais inspiradores da UNESCO.

Embora Jaime Lannister seja irmão gêmeo de Cersei e assassino do Rei Louco, Aerys II Targaryen, o ator Nikolaj Coster-Waldau é embaixador da Boa Vontade para o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Ativista pelo fim da discriminação e da violência contra as mulheres, o pai de duas meninas foca seus talentos em chamar atenção para questões essenciais para nosso mundo – incluindo o combate à pobreza e a luta contra as mudanças climáticas.

Coster-Waldau foi nomeado embaixador da Boa Vontade do PNUD em 2016.