Comitê nacional lança concurso de arte para refugiados vivendo no Brasil

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Até 15 de junho, o Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE) recebe inscrições para o concurso “Fazendo Arte no Conare: Mobilidade Humana em Arte”. Iniciativa visa reconhecer e premiar obras artísticas realizadas ou que serão executadas por refugiados no Brasil. Interessados em participar devem ter a situação de refúgio reconhecida pelo governo brasileiro. Inscrições podem ser feitas pela Internet ou por correio.

Fabrício Dom, refugiado congolês que vive no Rio de Janeiro, trabalha no quadro ‘Emigração’, exibido na mostra ‘Arte e Refúgio no Brasil’, de 2011. Foto: ACNUR/L.F.Godinho

Fabrício Dom, refugiado congolês que vive no Rio de Janeiro, trabalha no quadro ‘Emigração’, exibido na mostra ‘Arte e Refúgio no Brasil’, de 2011. Foto: ACNUR/L.F.Godinho

Até 15 de junho, o Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE) recebe inscrições para o concurso “Fazendo Arte no Conare: Mobilidade Humana em Arte”. Iniciativa visa reconhecer e premiar obras artísticas realizadas ou que serão executadas por refugiados no Brasil. Interessados em participar devem ter a situação de refúgio reconhecida pelo governo brasileiro. Inscrições podem ser feitas pela Internet ou por correio.

Os trabalhos de artes visuais podem ser individuais ou coletivos e devem retratar ou se inspirar em experiências, sentimentos, projetos e esperanças vivenciados por refugiados. A técnica das obras apresentadas será livre, ou seja, podem ser esculturas, pinturas em tela, fotografias, grafites, murais, entre outras, desde que não sejam frágeis, como artes realizadas com gelo ou areia, por exemplo.

Segundo o secretário nacional de Justiça, Luiz Pontel de Souza, o edital publicado é uma forma de o governo federal promover uma política afirmativa feita para os refugiados. “A obra será incorporada ao patrimônio público, sendo essa também uma maneira de afirmar, no âmbito da Administração, a população refugiada no Brasil”, disse.

De acordo com o coordenador-geral do CONARE, Bernardo Laferté, o concurso é uma oportunidade de incentivar os refugiados por meio da expressão artística. “A arte também é uma forma de manifestação de uma sociedade e, por meio das obras apresentadas, esperamos transmitir uma mensagem dos refugiados sobre suas experiências de vida à população brasileira, inclusive como maneira de sensibilização e de informação sobre os movimentos migratórios”, destaca o dirigente.

Premiação

Três trabalhos artísticos serão premiados. O criador da melhor obra receberá 5 mil reais. O segundo lugar será premiado com 3 mil reais e o terceiro classificado, com 2 mil reais.

Os documentos necessários para se inscrever no concurso são: cópia da notificação que informa sobre a decisão de reconhecimento pelo CONARE quanto à condição de refúgio, em nome do participante; cópia simples do Registro Nacional de Estrangeiro; documento indicando o nome da proposta, nome do participante, o município e unidade federativa de residência; e proposta conceitual da obra a ser apresentada.

Os documentos devem ser enviados — já preenchidos e assinados — para o e-mail conare@mj.gov.br ou pelo correio para o endereço: Edital de Seleção Pública n.º 01 “Fazendo Arte no Conare: Mobilidade Humana em Arte”; Esplanada dos Ministérios, Ministério da Justiça, Bloco T, Ed. Anexo II, 3º andar, Salas 305/303, Brasília/DF – CEP 70.064-900.

O edital pode ser acessado pelo link: https://goo.gl/6MbKqL.


Mais notícias de:

Comente

comentários