Comitê da ONU alerta sobre violações ‘brutais’ dos direitos humanos na Síria

Documentos relatam que crianças sofreram tortura e mutilação depois de detidas, além de execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias.

Um comitê das Nações Unidas demonstrou profunda preocupação com a massiva violação dos direitos humanos na Síria, incluindo tortura contra crianças, com a continuação da violenta repressão do governo contra protestantes. Mais de 3.500 pessoas morreram no país desde o começo dos protestos, similares às manifestações dos países da Primavera Árabe, no início do ano.

As violações incluem casos de tortura e maus-tratos de presos; perseguições de ativistas e defensores dos direitos humanos e ataques sistemáticos contra a população civil, incluindo a morte de manifestantes pacíficos.

O Cômite contra Tortura das Nações Unidas analisou “numerosos, consistentes e fundamentados” relatórios e informações sobre violações generalizadas dos direitos na Síria e está preocupado com o fato de que esses relatos de violações dos direitos humanos estão ocorrendo em meio à “total e absoluta impunidade”.

“São particularmente preocupantes os relatórios referentes às crianças que sofreram tortura e mutilação, depois de detidas, bem como casos de execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias”, ressaltou Claudio Grossman, atual líder do painel.