Começa neste sábado (14), em Sendai no Japão, conferência da ONU sobre risco de desastres

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Desde 2005, mais de 700 mil pessoas morreram, 1,7 milhão de pessoas foram afetadas e 1,4 trilhão de dólares foram gastos em desastres.

Escombros da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi causados pelo terremoto e tsunami de 2011. Foto: AIEA/Gill Tudor

Escombros da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi causados pelo terremoto e tsunami de 2011. Foto: AIEA/Gill Tudor

Começa, neste sábado, dia 14 de março em Sendai, no Japão, a Terceira Conferência Mundial da ONU sobre a Redução do Risco de Desastre que tem por objetivo principal obter um novo quadro mundial para a gestão do risco de desastres para reduzir a mortalidade e perdas econômicas produzidas pelos desastres. A conferência da ONU acontece na região de Tohoku onde ocorreu o terremoto que causou o tsunami e o acidente nuclear de Fukushima, em março de 2011.

Desde a última conferência em Kobe, também no Japão, em janeiro de 2005, os desastres causaram a morte de pelo menos 700 mil pessoas, afetaram outro 1,7 milhão e as perdas econômicas foram de 1,4 trilhão de dólares.

O objetivo do encontro é atualizar o acordo histórico alcançado uma década atrás, em Hyogo, também no Japão, que detalhou o trabalho exigido de todos os diferentes setores e atores para reduzir as perdas causadas por desastres. O Quadro de Ação de Hyogo (HFA) produziu alguns sucessos importantes, incluindo a redução do número de pessoas diretamente afetadas por desastres naturais na Ásia – onde ocorrem a maioria dos tais catástrofes – em cerca de um bilhão.

Na véspera do encontro, a chefe do Escritório da ONU para a Redução de Risco de desastres (UNISDR), Margareta Wahlström, declarou que “depois de três anos de consulta sobre um quadro pós-2015, que atualiza o atual Quadro de Ação de Hyogo, há um consenso geral de que devemos passar de gestão de desastres para a gestão do risco de desastres“. Ela acrescentou que a nova estrutura a ser adotada na conclusão da conferência, na próxima quarta-feira (18), vai ajudar a reduzir os atuais níveis de risco e evitar a criação de novos riscos.

Sendai é a primeira de várias reuniões internacionais que acontecem em 2015, quando grandes questões mundiais serão discutidas. Depois de Sendai, os líderes mundiais reúnem-se em Adis Abeba (Etiópia), em Julho, para discutir o financiamento para o desenvolvimento; em seguida, em Nova York, em setembro, quando devem adotar uma nova agenda de desenvolvimento; e depois, em dezembro em Paris, quando será discutido um acordo sobre mudanças climáticas.


Mais notícias de:

Comente

comentários