Com participação da ONU, gestores brasileiros elaboram plano de segurança alimentar e nutricional

Entre as metas discutidas está a inserção do Brasil nas discussões sobre governança global dos sistemas alimentares internacionais saudáveis no âmbito das Nações Unidas. Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA) participou do evento.

Merendeiras brasileiras visitam escola no Senegal em uma iniciativa do Centro de Excelência da ONU contra a Fome, que impulsiona a cooperação sul-sul. Foto: PMA/Mariana Rocha

Merendeiras brasileiras visitam escola no Senegal em uma iniciativa do Centro de Excelência da ONU contra a Fome, que impulsiona a cooperação sul-sul. Foto: PMA/Mariana Rocha

Cerca de 100 gestores e técnicos de 21 ministérios do governo brasileiro se reuniram em Brasília nos dias 9 e 10 de março para planejar as ações que irão compor o Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (PlanSan) para o período 2016-2019. O documento tem publicação prevista para maio deste ano.

Entre as principais demandas que farão parte do plano estão o enfrentamento à obesidade, o combate à insegurança alimentar e nutricional de grupos populacionais vulneráveis, além da consolidação do Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Sisan) e da ampliação da produção, do abastecimento e do consumo de alimentos saudáveis.

Questões como a redução da pobreza, o fortalecimento da agricultura familiar, o reconhecimento dos direitos das mulheres e a promoção de um maior diálogo internacional também foram debatidos durante o evento e serão contempladas no documento final.

Os desafios discutidos foram apontados a partir das demandas apresentadas durante a 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, em 2015, e do Plano Plurianual (PPA) 2016-2019. O Plano também será analisado pela sociedade civil, no âmbito do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

O Centro de Excelência contra a Fome do Programa Mundial de Alimentos da ONU (PMA) esteve presente no evento e participou das discussões do Desafio 10 – “Apoio a iniciativas de promoção da soberania, segurança alimentar e nutricional, do direito humano à alimentação adequada e de sistemas alimentares democráticos saudáveis e sustentáveis em âmbito internacional por meio do diálogo e da cooperação internacional”. Entre as metas discutidas está a inserção do Brasil de forma coordenada nas discussões sobre governança global dos sistemas alimentares internacionais saudáveis no âmbito das Nações Unidas.

A primeira edição do seminário, realizada em 2012, teve como um dos seus principais temas o combate à fome. Posteriormente, os objetivos foram incorporados pelas políticas públicas e contribuíram para que o país fosse retirado em 2014 do Mapa Mundial da Fome da ONU.